Defesa entra com novo pedido para tirar motorista de Jaguar da prisão - ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

Defesa entra com novo pedido para tirar motorista de Jaguar da prisão

Pedido de revogação da prisão preventiva foi entregue nesta manhã

Foto: Divulgação

A defesa de Evanio Wyllyan Prestini, motorista de um Jaguar que se envolveu em um grave acidente no fim de fevereiro na BR-470, entrou nesta sexta-feira com um novo pedido de revogação de prisão preventiva. Essa revogação já havia sido negada no dia 27 de fevereiro pela juíza Camila Murara Nicoletti, da Vara Criminal da Comarca de Gaspar. As informações são da NSC Total.

Até esta quinta-feira, os advogados não haviam entrado com o recurso do Superior Tribunal de Justiça (STJ), após a manutenção da prisão por parte da Turma do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). De acordo com a assessoria de Gastão Filho, coordenador da defesa de Evanio, isso faz parte do estudo “de novas estratégias”.

O novo documento que pede a liberdade provisória do motorista do Jaguar tem 33 páginas e é assinado por Nabor Bulhões e José Carlos Porciúncula, ambos de Brasília (DF), dois dos mais renomados advogados criminalistas do Brasil. O catarinense Gilmar Krutzsch também assina o pedido de revogação da prisão de Evanio.

O texto cita trechos da perícia feita por Eduardo Llanos, perito chileno contratado pela defesa, e ressalta que a culpa do acidente ter ocorrido seria de Thainara Schwartz, motorista do Palio, e não de Evanio Prestini. A alegação dos advogados de Evanio é de que ela teria invadido a pista contrária no momento da colisão. O pedido ainda diz que “não há motivos plausíveis para a manutenção da prisão preventiva do peticionário”.

O acidente

A batida envolvendo o Jaguar e o Fiat Palio ocorreu por volta das 6h da manhã de 23 de fevereiro na BR-470, em Gaspar. Duas garotas morreram, Amanda Grabner Zimmermann, 18, e Suelen Hedler da Silveira, 21. O condutor do carro de luxo, Evanio Prestini, foi submetido ao teste do bafômetro que apontou 0,72 miligrama de álcool por litro de ar expelido.

Ele foi preso em flagrante. No dia seguinte ao acidente, a prisão foi convertida para preventiva. Os advogados de Evanio pediram a revogação da prisão, que foi negada pela Comarca de Gaspar. A defesa, então, entrou com o pedido de uma liminar de habeas corpus no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), que também foi negado. Quase duas semanas depois, no julgamento do Colegiado, os desembargadores decidiram por manter Evanio preso.

Em nota, a defesa do motorista do Jaguar confirmou que levará o processo ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Hoje, Evanio está detido no Presídio Regional de Blumenau.