MPSC e Estado firmam acordo para viabilização de cirurgias eletivas - ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

MPSC e Estado firmam acordo para viabilização de cirurgias eletivas

Os municípios catarinenses devem receber repasses mensais do Estado para viabilização de cirurgias eletivas. O valor do repasse deve ser de R$ 2,5 milhões. O recurso possui finalidade exclusiva de financiar a realização de cirurgias eletivas. O acordo foi firmado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e o Estado de Santa Catarina, mas para ser válido precisa ser aprovado pelo Conselho Superior da Procuradoria-Geral do Estado de Santa Catarina.

Conforme o MPSC as ações foram ajuizadas entre novembro de 2017 e abril de 2018, depois que o governo do Estado se negou a atender a recomendação que apresentava medidas a serem adotadas para solucionar a crise na saúde pública.

Ação

Esta ação específica trata dos atrasos no pagamento do chamado “incentivo R$ 0,30”. Em 2013, diante da necessidade de aumentar a oferta de serviços especializados de média e alta complexidade, o Governo do Estado, mediante a publicação da Lei Estadual n. 16.159/13, assumiu a obrigação de repassar a todos os 295 Municípios catarinenses um incentivo financeiro no valor de R$ 0,30 ao mês por habitante.

No entanto, a partir de 2015, o Estado deixou de honrar o compromisso e, até o ajuizamento da ação, o débito para com os municípios catarinenses alcançava o valor aproximado de R$ 68 milhões. Agora, com o acordo firmado, os municípios passarão a receber mensalmente R$ 2,5 milhões, condicionados à apuração da efetiva realização das cirurgias eletivas. Em caso de inadimplência, o valor será sequestrado das contas do Estado.

O acordo foi firmado pelos Promotores de Justiça Luciano Trierweiller Naschenweng e Thiago Carriço de Oliveira e pelo Procurador do Estado Felipe Barreto de Melo, em audiência presidida pelo Juiz de Direito Jefferson Zanini. Para ser válido, a conciliação necessita ser aprovada pelo Conselho Superior da Procuradoria-Geral do Estado de Santa Catarina. Para ser válido, a conciliação necessita ser aprovada pelo Conselho Superior da Procuradoria-Geral do Estado de Santa Catarina.

Informações MPSC