Servidora pública que relatou ter sido coagida a ter relações com colega durante passagem por Chapecó é indicada por falsa denúncia de estupro

Investigação da Polícia Civil aponta que eles se relacionavam há mais de um ano

Foto: Reprodução/Polícia Civil

Uma mulher, de 28 anos, foi indiciada por falsa denúncia de estupro pela Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI-Fron) de Chapecó. A informação foi divulgada pela Polícia Civil nesta quinta-feira (19). Conforme os policiais, ela – que atua como servidora pública de Irati, no Oeste de Santa Catarina – afirmou que teria sido coagida a manter relações sexuais com um colega de trabalho durante passagem por Chapecó. 

Após a denúncia da mulher, a Polícia Civil passou a investigar o caso. Os policiais interrogaram o acusado, várias testemunhas, e tiveram acesso à troca de mensagens entre o suposto criminoso e a denunciante. Através da investigação, a Polícia Civil descobriu que eles mantinham um caso amoroso havia mais de ano,  com muitos encontros íntimos.

“Ao final,  ficou  evidenciada a falsa denúncia feita pela mulher, que foi motivada pela descoberta pelo marido de sua relação extraconjugal”, informou a DPCAMI, através de nota. O inquérito policial foi concluído e a vítima foi indiciada pelo crime de “Denunciação Caluniosa”, praticado contra a Administração da Justiça,  cuja pena prevista é de reclusão de 2 a 8 anos.