Polícia Civil esclarece feminicídio de Lindamira Bandeira Teixeira, ocorrido em Chapecó - ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

Polícia Civil esclarece feminicídio de Lindamira Bandeira Teixeira, ocorrido em Chapecó

Segundo o delegado Vagner Papini, autor será indiciado por homicídio duplamente qualificado e aborto

Foto: Junior Spindula

A Divisão de Investigação Criminal (DIC), da Polícia Civil esclareceu na tarde desta quarta-feira (3), no auditório da Delegacia Regional de Polícia Civil, em Chapecó, o feminicídio de Lindamira Bandeira Teixeira, ocorrido no dia 24 de junho, no Distrito de Marechal Bormann, em Chapecó (SC). Segundo o delegado da DIC, Vagner Papini, o ex-companheiro da vítima confessou o crime e será indiciado por homicídio duplamente qualificado e aborto.

A vítima foi encontrada por familiares na segunda-feira 24 de junho, morta em sua cama, com três golpes de machado na cabeça. Segundo o delegado Vagner Papini, a partir do momento que a Polícia Civil soube do fato, uma equipe da DIC foi até o local para começar as investigações.

Em conversas com testemunhas e familiares, o que chamou mais a atenção dos investigadores é que o ex-companheiro não estava presente no local. Esse fato levantou suspeitas e a partir disso começou a linha de investigação que ele poderia ser o autor do crime. Como não foi encontrado, o delegado de polícia responsável, Luiz Schaefer representou pela prisão preventiva do ex-companheiro da vítima.

Quando retornou a Chapecó, o delegado Vagner Papini assumiu o caso e partir disso começaram as conversas com o advogado e familiares do autor. Segundo Papini, o combinado era que o ex-companheiro da vítima se entregaria na última segunda-feira (1), entretanto um familiar do acusado disse à polícia que ele havia saído de Chapecó e não pretendia mais se apresentar aos policiais. Após um novo contato, na tarde da terça-feira (2), o ex-companheiro da vítima se apresentou aos policiais e assumiu a autoria do feminicídio de Lindamira.

Em depoimento, o homem revelou que eles estavam separados a dois meses e que a haviam terminado a união estável, por conta de uma traição de Lindamira. Entretanto, devido ao relacionamento de oito anos, eles tentaram reatar, mas no domingo, um dia antes do crime, a vítima disse que não queria mais o relacionamento.

O Crime

Segundo Vagner Papini, no domingo a noite o acusado foi até a residência onde ele vivia com a vítima e escondeu-se  no quarto dos fundos. Por volta das 23h, outro homem, o novo relacionamento amoroso de Lindamira foi até a casa e ficou por 40 minutos. Uma hora depois, quando a vítima foi dormir, o autor foi até os fundos da residência, pegou um machado, foi até o quarto de Lindamira, tirou o seu filho que teve com a vítima e colocou na sala, retornou ao quarto e desferiu três golpes na ex-companheira.


Foto: ClicRDC

Segundo Vagner Papini, o homem será indiciado por homicídio duplamente qualificado. A primeira qualificadora é que ele dificultou a defesa da vítima, pois ela dormia no momento do crime e a segunda é pelo feminicídio, que é o homicídio qualificado em razão da vítima ser mulher. Ele também responderá por aborto, tendo em vista que ele tinha conhecimento da gravidez da vítima.

“Conseguimos também apurar, que o autor tinha conhecimento que a vítima estava grávida. A dúvida desse autor era se o filho seria dele, ou do individuo que a vítima estava mantendo um relacionamento”, fala Vagner Papini sobre acusação de aborto.

O autor está preso no Presidio Regional de Chapecó e permanece à disposição da justiça.