Polícia Civil deflagra Operação Vênus em Chapecó - ClicRDC | Notícias de Chapecó e região

Polícia Civil deflagra Operação Vênus em Chapecó

Os policiais investigavam a cerca de um ano membros de uma mesma família, suspeitos de formar uma organização criminosa, voltada à exploração sexual de mulheres

Na manhã desta terça-feira (5), a Polícia Civil, por meio da DPCAMI de Chapecó deflagrou a Operação Vênus, em Chapecó. Os policiais investigavam a cerca de um ano, membros de uma mesma família, suspeitos de formar uma organização criminosa, voltada à exploração sexual de mulheres.

A exploração sexual de mulheres é considerada crime e ocorre quando um indivíduo, ou grupo se aproveita da situação de fragilidade e pobreza de outras pessoas para, por meio de serviços de ordem sexual oferecida por elas, obter lucro.

O grupo agenciava mulheres para fazer programas e ficavam com uma parte do valor cobrado. As líderes do grupo faziam anúncios em sites na internet, onde usavam fotos falsas e deixavam o contato da “garota de programa”. Os “clientes” ligavam para o telefone indicado e as mulheres responsáveis pelo agenciamento combinavam o valor e o local do programa como se fossem as garotas anunciadas no site. Depois de tudo acertado, outros membros do grupo levavam as garotas para o local combinado e após o termino do programa, buscavam as garotas. O grupo também mantinha uma boate, na qual exploravam garotas de programa que frequentavam o local.

Realizadas diligências e identificadas algumas das vítimas, os policiais representaram pela busca e apreensão a ser realizada na residência dos alvos e na boate. As buscas contaram com o apoio de outras unidades da Polícia Civil, como a Divisão de Investigação Criminal (DIC), Delegacia de Furtos e Roubos e 1º Delegacia de Polícia. Durante as buscas, foram localizados 51 celulares, alguns com dois chips e identificados com os nomes de garotas de programa anunciadas. Também foram apreendidos agendas e um computador provavelmente usado para publicar os anúncios.

O material apreendido foi levado para a DPCAMI para ser analisado e identificar outras vítimas do esquema de exploração sexual.