Ex-companheiro confessa ter matado mulher encontrada dentro de bolsa de ráfia no Oeste Catarinense

Corpo da vítima foi encontrado enterrado na última sexta-feira

Foto: Reprodução/PM/ClicRDC

O ex-companheiro de Ana Claudia Oliveira Prado, de 34 anos, encontrada morta, na última sexta-feira (6), na linha Procópio, no interior de Xanxerê, no Oeste de Santa Catarina confessou ter matado a mulher nesta terça-feira (10). Segundo o portal Lance Notícias, o delegado da Polícia Civil, responsável pelo caso, Albino Souza de Araújo informou que o homem disse que atingiu Ana Claudia com uma pedra, após ela tentar o agredir com uma faca. O corpo da vítima estava enterrado em uma área de mata, dentro de bolsa de ráfia.



“Em seu depoimento ele confessou ter matado ela. Na sua versão, ele conta que eles teriam brigado e ele a acertou com uma pedrada na cabeça, momento que a vítima caiu e não se levantou mais. Conforme o homem, o relacionamento estava deteriorado e as brigas eram constantes. No dia do ocorrido ele estava atrasado para o trabalho e recebeu uma ligação do seu chefe o cobrando sobre o atraso, por conta disso saiu correndo de casa e ela pediu o porque ele estava saindo com pressa. O casal discutiu, mas ele foi para o caminhão e percebeu que havia esquecido o litro de água que leva junto para tomar durante o dia. Voltou para dentro de casa, a discussão continuou, então ele a agrediu com o litro na face. Ela teria se exaltado e tentou o atingir com uma faca, segundo o relato dele. Ele saiu correndo em direção ao caminhão, mas no meio do caminho percebeu que ela iria alcançá-lo, pegou a pedra com as duas mãos e atingiu a mulher com um golpe na cabeça” informou o delegado para o portal Lance Notícias.



No dia 14 de fevereiro de 2020, o ex-companheiro de Ana Claudia, após cometer o crime registrou um Boletim de Ocorrência (BO) pelo desaparecimento da mulher. Conforme o delegado, uma denúncia anônima ajudou os policiais para encontrar o corpo da vítima.



“Após o ocorrido ele registrou um Boletim de Ocorrência alegando que ela estava desaparecida e foi este argumento que ele contou para os familiares dela e dele. O casal tem uma filha de quatro ou cinco anos e ambos possuem outros filhos de outros relacionamentos. A Polícia chegou até o corpo devido uma denúncia anônima, mas ele disse que não foi ele quem denunciou. Agora, seguimos as investigações e ele responderá pelo crime de ocultação de cadáver e quanto ao homicídio ou feminicídio aguardamos o laudo cadavérico. Por ora, temos apenas o relato unilateral, as investigações seguem“, disse o delegado Albino Souza de Araújo ao portal Lance Notícias.