Primeiro caso de morte por febre amarela é registrado em SC - ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

Primeiro caso de morte por febre amarela é registrado em SC

Informações G1

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), confirmou nesta quinta-feira (28) a morte de um morador de Joinville, no Norte catarinense, por febre amarela. O paciente de 36 anos morreu no dia 12 de março. Em Santa Catarina, é o primeiro registro de um caso autóctone, ou seja, quando é contraído na própria região em que a pessoa habita, desde 1966.

Segundo a Dive/SC vinculada à Superintendência de Vigilância em Saúde da Secretaria Estadual de Saúde, o diagnóstico laboratorial foi feito pelo Instituto Carlos Chagas (ICC), da Fiocruz do Paraná.

O paciente não tinha registro de vacina no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI). A imunização é a principal forma de prevenção contra a doença. Conforme a Dive/SC, ele foi infectado em uma área rural do município.

Ainda de acordo com o departamento, como se tratava de um óbito suspeito de febre amarela, foi realizada uma investigação conjunta entre a Gerência Regional de Saúde e a Secretaria Municipal de Saúde de Joinville utilizando o Protocolo de Investigação de Óbitos Febre Amarela do Ministério da Saúde (MS).

Por conta da confirmação do caso, a Dive/SC irá realizar a coleta de vetores no município na próxima semana e a equipe de Vigilância Epidemiológica do deve realizar a vacinação de casa em casa no raio de 300 metros do local provável de infecção. O local não foi divulgado pelo departamento.

Nos dados da secretaria de saúde, com os resultados da investigação epidemiológica, aliados à confirmação laboratorial do caso, atestam o primeiro caso autóctone com óbito por febre amarela registrado em Joinville.

Conforme os dados da Dive/SC, os últimos casos autóctones de febre amarela silvestre no estado foram registrados há 53 anos. Na época, foram nove casos notificados na região Oeste catarinense, nos municípios de Anchieta (1), Chapecó (1), Maravilha (1), Mondaí (2), Palma Sola (2), Piratuba (1) e Quilombo (1). O departamento não informou se os registros envolveram óbitos.