Mês de conscientização sobre Afasia - ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

Mês de conscientização sobre Afasia

Distúrbio de linguagem que afeta as habilidades para compreender o que é dito, para falar, para ler e para escrever

Neste mês de junho é lembrado sobre a conscientização sobre Afasia – distúrbio de linguagem que afeta as habilidades para compreender o que é dito, para falar, para ler e para escrever. Ela é causada principalmente por Acidente Vascular Encefálico (AVE/Derrame), mas também, pode ser por um traumatismo crânio encefálico, por um tumor cerebral, ou por um aneurisma.

De acordo com a fonoaudióloga da Clínica Comunicação Naiara Silva, quando um indivíduo se torna afásico, é comum que ele se afaste de muitas das atividades que fazia antes, mudando seu convívio social. “A afasia muitas vezes é invisível aos olhos da sociedade e da própria gestão pública”, destaca.

Geralmente, a sequela do derrame que mais chama a atenção das pessoas é a alteração motora. Talvez porque dificulte a pessoa acometida de realizar as atividades básicas do dia-dia, como escovar os dentes, tomar banho sozinha etc.  “A afasia não é apenas um problema de saúde, é um problema social e pode acarretar isolamento e depressão”.

Naiara observa que não há políticas públicas voltadas a afasia. A própria gestão pública muitas vezes desconhece o impacto que a afasia traz na vida das pessoas e de seus familiares.


Fonoaudióloga da Clínica Comunicação Naiara Silva – Foto: Vinicius Aguiar/Divulgação

Algumas dicas podem ser seguidas para auxiliar aos que convivem com o afásico, para que ele possa se sentir mais à vontade entre os familiares e amigos.


1- É muito importante conversar com o afásico de forma simples e natural. Incentive-o a responder, quando for possível, e quando ele puder. Mas não exija dele mais do que naquele momento ele pode oferecer.

2- Tente não demonstrar sua ansiedade quando ele fala, quer seja por palavras ou expressões faciais. Tenha paciência! Nunca o force a falar e nem insista para que ele fale corretamente.

3- Não o trate como uma criança, apenas tente falar e agir de uma forma mais simples. Trate-o da mesma maneira com que você fazia antes dele ficar doente.

4- Deixe-o participar das decisões de família e da sua própria vida, como era antes.

5- Algumas vezes será difícil entender o que ele está tentando dizer. Tente sutilmente mudar o assunto e diga: “vamos esquecer isso agora e voltar mais tarde. As palavras provavelmente virão quando você não estiver tentando tanto”.