OUÇA AO VIVO

InícioSAÚDECrise no HRO: Secretaria da Saúde monta força-tarefa para atuar em Chapecó

Crise no HRO: Secretaria da Saúde monta força-tarefa para atuar em Chapecó

Confira alguns pontos da conversa do ClicRDC com o o secretário adjunto Alexandre Lencina Fagundes, sobre o hospital:

Foto: Maurício Vieria/Arquivo/Secom

Uma das prioridades da Secretaria da Saúde do Estado para os próximos dias será compreender a situação orçamentária e financeira do Hospital Regional do Oeste, em Chapecó, e em apoio à Secretaria Municipal de Saúde, gestora do contrato com a unidade, e estabelecer uma estratégia de recuperação e estabilização das finanças da unidade. A partir de segunda-feira (23), uma força-tarefa formada pela SES, pelo Tribunal de Contas do Estado e pelos auditores em saúde do município farão uma auditoria operacional para criar soluções a curto prazo e sugerir medidas de correção para que a presente situação não volte a ocorrer. 

O secretário da Saúde Aldo Baptista Neto garantiu que a população não ficará desassistida e que o Governo pretende auxiliar os entes envolvidos na busca de uma solução duradoura. “Compreender os gastos e dificuldades dos gestores locais, permitindo manter a qualidade de saúde ao paciente. Recebemos documentação vinda do município e da Associação Leonir Vargas Ferreira, que apresenta dados sobre a dívida existente, apresentando um deficit mensal de cerca de R$ 4 a 5 milhões. Necessitamos de um procedimento técnico para compreender os valores envolvidos”, destacou. 

O Hospital Regional do Oeste é referência em quatro áreas: oncologia, ortopedia, neurologia e gestação de alto risco. A administração e a Secretaria da Saúde Municipal vem pedindo ajuda ao Estado para resolver uma crise financeira que – até 2030 – prevê um deficit de R$ 53 milhões. 

- Continua após o anúncio -

O Estado fez três auditorias relacionadas aos recursos do coronavírus e feito todos os aportes necessários referente a emergência da pandemia, nesta ação foram mais de R$ 17 milhões. Importante ressaltar também que, desde o ano de 2019, o Governo do Estado, por meio da SES, já repassou pela Política Hospitalar Catarinense e outros convênios o valor de R$ 125.741.767,33.

Nesta segunda-feira, 23, o gabinete do secretário adjunto Alexandre Lencina Fagundes foi mobilizado para Chapecó, similar ao que foi feito durante a crise da pandemia no município. O prazo previsto para um relatório completo da SES é de cerca de duas semanas.

Em conversas com o ClicRDC nesta segunda-feira, o secretário adjunto Alexandre Lencina Fagundes informou algumas ações que serão tomadas nesta força-tarefa. Uma delas é a auditoria operacional, para a busca de informações que possam explicar o momento financeiro da instituição.

“As ações que serão implementadas nesta semana e nas semanas seguintes, são: uma auditoria operacional, para que conseguir buscar informações suficientes, que apontem quais são as dificuldades financeiras, para que possamos tomar a melhor decisão, junto ao Sistema Único de Saúde […] A médio e longo prazo, esses dados serão importantes para entendermos se o modelo de gestão de agora, é viável e pode ser mantido, ou se teremos que optar por algum outro modelo de contrato, ou outro tipo de contratação para termos um equilíbrio financeiro dessa unidade tão importante para a região Oeste”, falou Alexandre.

Conforme o secretário adjunto, o governo entende que o HRO é um hospital muito importante para a região Oeste e toda Santa Catarina. Alexandre destacou que a unidade é referência para várias especialidades, como: Ortopedia, Neurologia, Oncologia e também para gestação de alto risco. Por fim, ele tranquilizou a população e disse que não irão ocorrer cenários de desassistência no HRO, em Chapecó.

“Essa unidade é muito importante para toda essa rede e não poderia ser diferente o posicionamento do governo do Estado, através da secretaria de Estado, ao qual nós garantimos que nenhum cenário de desassistência vai acontecer, com esse hospital. Queremos tranquilizar toda a população, todos os usuários do SUS e todos os profissionais que prestam serviço dentro desse hospital, que traremos soluções e resoluções para esse problema financeiro”, finalizou o o secretário adjunto Alexandre Lencina Fagundes.

Publicidade

Notícias relacionadas

SIGA O CLICRDC

123,931FansLike
45,000FollowersFollow
59,003FollowersFollow
6,620SubscribersSubscribe