OUÇA AO VIVO

InícioPOLÍTICAVereadores aprovam projeto de lei que proíbe “linguagem neutra” nas escolas de...

Vereadores aprovam projeto de lei que proíbe “linguagem neutra” nas escolas de Chapecó

Projeto de lei prevê multa caso haja descumprimento

FOTO ILUSTRATIVA: Arquivo/ Agência Brasil

Um Projeto de Lei que proíbe o uso da “linguagem neutra” nas escolas de Chapecó (SC) foi aprovado pela maioria dos vereadores no legislativo do município. Segundo a Câmara de Vereadores, que divulgou a informação nesta terça-feira (27), o projeto garante aos estudantes o aprendizado da língua portuguesa de acordo com a norma culta.

 O PL é de autoria do vereador Fernando Cordeiro (PSC), e caso seja sancionado pelo prefeito João Rodrigues (PSD), será aplicado em toda educação básica, ensino superior e nos concursos públicos do município.Com isso, fica proibida a denominada “linguagem neutra” na grade curricular e no material didático de instituições de ensino públicas ou privadas, assim como em editais de concursos públicos. 

“A intenção é preservar o uso da norma culta da Língua Portuguesa, sejam escritos ou falados com a intenção de anular as diferenças de pronomes de tratamento masculinos e femininos baseando-se em infinitas possibilidades de gêneros não existentes”, explicou o vereador em seu projeto de lei.

- Continua após o anúncio -

Na opinião do vereador, a “linguagem neutra”, além de ser um português ensinado errado, suprime as diferenças entre homens e mulheres, impõe uma assepsia de gênero que destrói o princípio de separação entre meninos e meninas. Segundo ele, impõe o caos e a confusão sexual, sobretudo, na cabeça das crianças. “Na esteira desse movimento, uma escola, por meio de circular, avisou aos pais dos alunos que havia decidido utilizar o dialeto não binário nas atividades escolares, para tanto exemplificou que utilizaria a partir de então a expressão “queridEs alunEs” no estabelecimento”, relatou Fernando Cordeiro.

O PL ainda prevê multa de R$ 5 mil às instituições que violarem o disposto da lei – valor que deverá ser revertido para a Secretaria Municipal de Educação. 

Na primeira votação do projeto em plenário, a maioria dos vereadores votou a favor, com exceção dos vereadores César Valduga (PC do B), Valdir Carvalho (PT), Aldacir Detofol (PT) e Marcilei Vignatti (PSB). O vereador Valdemir Stobe (PTB) estava ausente, mas votou a favor na segunda votação, assim como os outros 15 vereadores. Já a vereadora Marcilei, não estava no plenário na última votação.

Publicidade

Notícias relacionadas

SIGA O CLICRDC

123,931FansLike
45,000FollowersFollow
59,940FollowersFollow
6,620SubscribersSubscribe