Ministério Público Federal encerra negociações com resseguradoras do acidente da Chapecoense

A ação ajuizada pelo MPF seguirá curso normal


Foto: Eduardo Guimarães/Chapecoense

Sem nenhuma proposta concreta, o Ministério Público Federal decidiu que vai encerrar as negociações com as resseguradoras do acidente aéreo com o avião da Chapecoense. A ação civil pública prosseguirá seu curso de forma normal.

A ação, que foi publicada em novembro de 2019, defende a condenação dos responsáveis à reparação dos danos materiais e morais sofridos pelas vítimas e familiares brasileiros do acidente.

Leia mais: E-mails mostram que LaMia e corretora sabiam de proibições em voo da Chape

Em fevereiro desse ano, a pedido do grupo liderado pela seguradora Tokio Marine, solicitou ao MPF que fosse realizado um acordo para que as famílias das vítimas sejam indenizadas. Entretanto, as seguradoras não ofereceram uma proposta concreta.

Conforme ficou bem explicitado na última reunião, na medida em que até o momento não houve a apresentação concreta de proposta de tentativa de acordo por parte dos resseguradores, já decorrido o prazo que convencionamos para aguardar uma resposta contemplando uma proposta de resolução minimamente aceitável para que levássemos ao crivo de admissibilidade dos familiares das vítimas brasileiras do acidente aéreo, consideramos formalmente encerradas as discussões e tratativas para se chegar a um possível acordo extrajudicial”, disseram os procuradores do MPF