OUÇA AO VIVO

InícioClicAgroO papel da mulher no Agro; alertas para o plantio do milho

O papel da mulher no Agro; alertas para o plantio do milho

ClicAgro - O seu boletim diário com as notícias do campo

Observatório do Agronegócio Catarinense

A Fapesc está com edital aberto para contratação de profissionais para compor a equipe do Observatório do Agronegócio Catarinense. O OAC, que começa a atuar em 2022, vai apoiar a Epagri/Cepa na geração de informações, estatísticas, análises, estudos, cenários e perspectivas sobre o agronegócio no Estado. O edital permanece aberto até 20 de outubro.
Observatório vai apoiar geração de informações sobre o agronegócio no Estado
Entre os profissionais com graduação, serão selecionados um design gráfico, dois cientistas de dados, um engenheiro de dados e um especialista em requisitos.

O edital também tem duas vagas para doutores atuarem com gestão de projetos e de processos. As graduações devem ser em engenharias, sistemas de informação, ou administração.
Os candidatos devem cadastrar-se na plataforma de CTI da Fapesc. Cada candidato pode se inscrever em apenas uma vaga. As bolsas são válidas por um ano, renováveis pelo mesmo período. O resultado final da seleção será publicado no dia 24 de novembro, no site da Fapesc.

- Continua após o anúncio -

O papel da mulher no Agro

Créditos foto: Divulgação/Aprosoja

É evidente que há um predomínio do gênero masculino no setor da soja e no agronegócio. Entretanto, o número de mulheres atuando no sistema agroindustrial da soja tem crescido nas últimas décadas, assim como o seu protagonismo nas decisões. Esse processo ocorre em meio a um contexto dinâmico, que envolve a sucessão familiar, a profissionalização do setor, as maiores exigências de consumidores, o aumento da competitividade e a necessidade de buscar inovações.

Nesse sentido, as mulheres percebem a sustentabilidade como um desafio para a imagem do setor, ao mesmo tempo em que acreditam ser uma oportunidade para o desenvolvimento do agronegócio brasileiro.

Sobre esse tema, o estudo especial divulgado pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, e realizado em parceria com a CI-Brasil (Conservação Internacional Brasil), traz dados demográficos e sociais da presença feminina no sistema agroindustrial da soja no Brasil e importantes percepções das mulheres que atuam no setor com relação aos desafios e à sustentabilidade.

Quer mais informações sobre o estudo acesse o link:
https://www.cepea.esalq.usp.br/upload/kceditor/files/Mulheres_sustentabilidade_na_soja_Out_2021.pdf

Alertas para o plantio do milho

Créditos foto: Divulgação/Compre Rural

Produtores que vão plantar milho, na próxima safra de verão ou na segunda safra, em todo o País, devem ficar atentos a um grave problema, para o qual ainda não se tem medidas curativas: os enfezamentos pálido e vermelho do milho, doenças que podem provocar perdas de mais de 70% na produtividade das lavouras. Mas, uma série de recomendações da Embrapa e parceiros, que precisam ser seguidas em escala local e regional, podem minimizar os prejuízos na cultura.
A ocupação das áreas com lavouras de diferentes culturas ao longo do ano fornece alimento para diversas pragas e favorece sua multiplicação. Portanto, é necessário manter o equilíbrio agro ecossistêmico em nível regional manejando de forma integrada o complexo de pragas do sistema de produção, e não apenas uma praga isoladamente.

Entre as medidas inadequadas de manejo da lavoura que oferecem alto risco de infestação por pragas estão o plantio dos mesmos cultivos nas mesmas áreas; o uso das mesmas variedades em grandes áreas, ano após ano, gerando forte pressão de seleção de indivíduos mais resistentes; o cultivo de transgênicos sem áreas de refúgio ou manejo da resistência a pragas; o uso inadequado de inseticidas, com misturas de produtos e aplicações calendarizadas, que levam à perda da eficácia dos princípios ativos; e a exploração intensiva de culturas hospedeiras suscetíveis, formando a chamada “ponte verde” no campo.

Decisão judicial prevê recontratação de indígenas

A Justiça trabalhista de Santa Catarina determinou que a empresa de alimentos JBS recontrate cerca de 40 trabalhadores indígenas demitidos durante a pandemia de Covid-19 na cidade de Seara, confirmando integralmente uma liminar concedida de reintegração dos indígenas demitidos após 6 de maio de 2020.

A sentença proferida em 4 de outubro, determinou que a JBS indenize os trabalhadores indígenas por danos individuais e coletivos relacionados às demissões.
A JBS não comentou o assunto. (Fonte: Reuters).

Fale conosco:

Envie informações e sugestões para o e-mail: [email protected] ou pelo telefone: (049) 9 8802-4673.

Cotações

Dólar: R$ 5,49

Saca da soja: R$ 168,45

Saca de milho: R$ 92,22

Arroba do boi: R$ 313.00

Litro do leite: R$ 2,28

Patrocínio ClicAgro
Foto: Divulgação/ ClicRDC

ClicAgro tem o patrocínio:

Produce – Inovação colaborativa no campo (https://www.produce.agr.br/#/home)

Sicoob Maxicrédito, faça parte! (https://www.sicoob.com.br/web/sicoobmaxicredito)

Publicidade

Notícias relacionadas

SIGA O CLICRDC

123,931FansLike
45,000FollowersFollow
59,846FollowersFollow
6,620SubscribersSubscribe