OUÇA AO VIVO

InícioClicAgro-PETBoletim Agropecuário de Janeiro: Recordes na produção de milho, suínos e outras...

Boletim Agropecuário de Janeiro: Recordes na produção de milho, suínos e outras cadeias produtivas

ClicAgro-Pet - O seu boletim diário com as notícias do campo

Foto: Divulgação/Epagri

O Boletim Agropecuário de janeiro destaca a queda na produção de milho na safra 2023/2024, devido à redução na área de cultivo, impactando os custos de produção de carnes. A produção estadual total apresenta uma diminuição de aproximadamente 6,7% em relação à safra anterior. O mercado do milho em 2024 prevê preços em alta devido à redução na oferta causada por problemas climáticos no Sul e Centro-Oeste do Brasil, combinada com a crescente demanda para a produção de carnes e biocombustíveis.

Por outro lado, o boletim destaca o recorde na produção de suínos em 2023, com Santa Catarina exportando 658,2 mil toneladas de carne suína, gerando receitas de US$ 1,57 bilhão. O Estado destinou ao abate um total de 17,86 milhões de suínos, representando o maior volume já produzido. O crescimento das exportações, especialmente para Filipinas, Chile e Japão, contribuiu para esses resultados, apesar da redução nas aquisições pela China.

Confira a atualização das condições de produção das principais cadeias produtivas monitoradas pela Epagri/Cepa:

- Continua após o anúncio -

Arroz

Os preços do arroz em casca pagos aos produtores catarinenses continuam com a tendência de aumento iniciada em julho. Entre os fatores que têm influenciado o mercado destacam-se a menor produção brasileira em virtude da quebra da safra gaúcha (2022/23), aumento das exportações em 2023 e expectativa de redução da produtividade na safra 2023/2024 em razão do El Niño.

Outro fator importante é que a menor produção brasileira e o baixo estoque nacional vieram combinados com estoques baixos dos demais países do Mercosul, que também enfrentaram problemas climáticos, reforçando a tendência de alta dos preços pela menor oferta interna.

Feijão

No mês de dezembro, o preço médio mensal recebido pelos produtores catarinenses de feijão-carioca voltou a subir, passando de R$181,18 para R$228,36 a saca de 60 kg, um aumento de 26,04% em relação ao preço do mês de novembro. Para o feijão-preto, o preço médio pago aos produtores também subiu, fechando a média mensal em R$ 292,07 a saca de 60 kg, alta de 24,60%.

Na comparação com dezembro do ano passado, o preço médio da saca de feijão-carioca está 24,23% mais baixo em termos nominais. Para o feijão-preto, houve um incremento de 30,33% na variação anual. O mercado do feijão-preto vive um bom momento, impulsionado pelos sinais do mercado de que pode haver falta do produto disponível para venda em função dos problemas provocados pelo excesso de chuva nos estados da região Sul do País. A insuficiência de estoques pode gerar uma possível pressão de alta até a entrada do feijão da segunda safra.

Soja

A produção total prevista para a atual safra catarinense de soja é de 2,88 milhões de toneladas. Em relação à safra anterior, a perspectiva é de um aumento aproximado de 1,45%, principalmente em função do aumento da área cultivada. O comportamento do mercado da soja, no início de 2024, tem sido pautado pela recuperação da produção na América do Sul, em especial na Argentina, e pela expectativa de redução no processo de esmagamento de soja na China, com retorno dos estoques a níveis normais e redução da demanda por novas compras.

Trigo

Os preços do trigo apresentaram aumento em dezembro para os produtores catarinenses, com uma variação positiva de 2,12% em relação ao mês anterior. No entanto, em comparação com dezembro de 2022, os preços ainda estão 30,12% abaixo. No Rio Grande do Sul houve uma alta de 12,02% em relação ao mês anterior, mas uma queda de 22,69% na comparação com dezembro de 2022.

Apesar do mercado baixista ao longo de 2023, a demanda internacional, a redução da produção argentina e os custos menores resultaram em otimismo por parte dos produtores. A safra nacional teve um aumento na área plantada, mas a produtividade reduzida resultou em uma queda de 22,8% na produção em comparação com a safra anterior. O ano de 2024 inicia com perspectiva de alta nos preços devido à forte movimentação exportadora argentina e à baixa disponibilidade interna do produto.

Alho

A safra catarinense de alho 2023/24 já foi totalmente colhida e está em processo de comercialização. As fortes chuvas ocorridas no Estado afetaram severamente a produção. Cerca de 40% das lavouras apresentaram condição ruim, 30% média e apenas 30% foram consideradas boas.

Por consequência, a produção total do Estado deve ser de aproximadamente 7,65 mil toneladas, uma das menores da história. Em dezembro, a quantidade de alho importada foi de 16,12 mil toneladas, com desembolso de US$16,72 milhões e preço médio de US$1,04/kg.

Cebola

A produção esperada para a safra 2023/24 de cebola se manteve estável no mês de dezembro no Estado. A estimativa atual é de pouco mais de 400 toneladas, redução de 27,43% em relação à estimativa no início de safra. Em 2023, foram importadas 134 mil toneladas, com desembolso de US$ 30,97 milhões e preço médio de US$ 0,23/kg – redução de 17,39 % em relação ao preço médio do ano passado, que foi de US$ 0,27/kg.

No mês de dezembro, a Argentina forneceu 5,63 mil toneladas, equivalente a 59,74% da importação do mês, os Países Baixos venderam 1,96 mil toneladas, 20,79%, a Espanha foi responsável por 1,48 mil toneladas, 15,75%, e o Peru forneceu 351 toneladas, 3,72% do total importado pelo país. No mês de dezembro, os produtores catarinenses de cebola receberam preço médio de R$2,64/kg, portanto acima do custo médio de produção estimado em R$1,67/kg.

Bovinos

Depois de atingirem altas históricas em 2022, os preços do boi gordo começaram o ano de 2023 em queda na maioria dos estados produtores. Em Santa Catarina, esse movimento manteve-se até novembro, com leve reversão nessa tendência em dezembro. No acumulado do ano, os preços do boi gordo em Santa Catarina apresentaram queda de 22,8%, situação que contrasta significativamente com o ano anterior.

Os preços de atacado da carne bovina também apresentaram tendência de queda ao longo de 2023, embora perceba-se relativa estabilidade no último quadrimestre. No acumulado do ano, a variação foi de -17,5%. Em 2023, foram produzidos e abatidos em Santa Catarina um total de 614,7 mil cabeças, queda de 3,6% em relação à produção de 2022. Essa quantidade refere-se somente aos animais abatidos em estabelecimentos inspecionados.

Frangos

Santa Catarina exportou 1,10 milhão de toneladas de carne de frango (in natura e industrializada) em 2023 – alta de 8,6% em relação às exportações do ano anterior. As receitas foram de US$ 2,29 bilhões – alta de 4,1% na comparação com as de 2022. Em termos de receitas, no ano passado o Estado registrou seu segundo melhor resultado de toda a série histórica, atrás apenas de 2011.

No que diz respeito à quantidade, o montante exportado em 2023 é o terceiro melhor já registrado, somente menor que os embarques realizados em 2018 e 2019. Santa Catarina foi responsável por 23,8% das receitas geradas pelas exportações brasileiras de carne de frango em 2023.

Os resultados do período são decorrentes do crescimento dos embarques para a maioria dos principais destinos, com destaque para a China, Arábia Saudita e Países Baixos. Em 2023, Santa Catarina produziu e destinou ao abate um total de 865,9 milhões de frangos, crescimento de 3,5% em relação à produção de 2022. Essa é a maior quantidade de frangos produzidos em Santa Catarina desde 2017.

Leite

Em 2023, as importações brasileiras de lácteos foram 63,8% maiores e as exportações 16,5% menores do que em 2022, o que resultou em um aumento de 85,5% no déficit da balança comercial de lácteos de 2022 para 2023. Em quantidade de lácteos, as importações de 2023 ainda ficaram bem abaixo dos patamares alcançados entre 1997 e 2000, mas são recordes quando convertidas em litros de leite equivalente.

Mesmo assim, a quantidade importada representou cerca de 8,2% da oferta total de leite inspecionado no Brasil, o que fica acima do registrado nos anos recentes, mas abaixo do que era observado nos anos de 1990. O recorde desta participação foi em 1999, quando as importações representaram 15,7% da oferta total de leite inspecionado.

Cotações:
⦁ Dólar: R$ 4,95
⦁ Saca da soja 60kg: R$ 131,84
⦁ Saca de feijão carioca 60kg: R$ 339,03
⦁ Saca de feijão preto 60kg: R$ 336,31
⦁ Saca de milho 60kg: R$ 70,12
⦁ Arroba do boi: R$ 252,65
⦁ Litro do leite: R$ 2,01

Publicidade

Notícias relacionadas

SIGA O CLICRDC

141,000SeguidoresCurtir
71,800SeguidoresSeguir
56,300SeguidoresSeguir
12,500InscritosInscreva-se