Vídeo: Moradores reclamam da situação do lixo no bairro Desbravador em Chapecó - ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

Vídeo: Moradores reclamam da situação do lixo no bairro Desbravador em Chapecó


Matéria atualizada às 20h03

O descaso da população em relação ao descarte correto do lixo tem gerado reclamações dos moradores do bairro Desbravador, em Chapecó (SC). A rua principal que dá acesso à entrada do bairro tem se tornado em um depósito de lixo. Além dos materiais descartados – como fraldas, orgânicos, e materiais eletrônicos –  muitos cachorros circulam pelo local e com isso sacolas de materiais que foram deixadas no chão são rasgadas e o lixo se espalha. Segundo a administração municipal atitudes foram tomadas, como orientações aos moradores e coleta de resíduos seis vezes na semana.

O problema, segundo o presidente da Associação dos Moradores, Micaelson Gehlen, já é de longa data.  “Tive conhecimento desse problema em 2017, mas antes disso ele já existia, não sei quando iniciou. Um pouco para baixo do local existe um córrego,  o descarte acontecia muito próximo ali. Como começou cair lixo no córrego, foram colocados os contêineres no local, mas as lixeiras estavam sempre cheias, com lixo no chão. Mudaram o lugar dos contêineres e o problema continuou. Eles então tiraram as lixeiras  e agora o lixo é depositado no chão”, explicou.

Vanusa Maggioni Cella, Gerente de Resíduos Sólidos e Coordenadora do Programa Lixo Zero Chapecó conta que antes mesmo do bairro ser habitado, havia ali, um descarte de lixo. Conforme ela, a prefeitura colocou dois contêineres e depois de um determinado período, eles foram queimados. A administração pública então substituiu os recipientes danificados, mas a situação ficou insustentável.

A função do contêiner é acondicionar resíduos domiciliares, orgânicos e recicláveis e ali no bairro, ele não fazia essa função. Primeiro que os resíduos ficavam sempre misturados, a população não tinha a consciência de separar. Quando a prefeitura chegava para fazer a coleta dos recicláveis, perdia-se muito material que poderia se tornar renda para os nossos catadores. Além disso, havia um descarte de resíduos que não eram responsabilidade do município, como: televisores, lampadas e pneus”, fala Vanusa.

Conforme Gehlen, há cerca de três meses foram feitas solicitações junto à ouvidoria da Prefeitura de Chapecó, tiradas fotos da situação no local e enviadas à Administração, mas os moradores ainda não tiveram retorno.

Vanusa discorda da fala de Gehlen que não houve retorno. Segundo ela, todas as reclamações da ouvidoria foram respondidas, talvez não como o morador gostaria de ouvir, mas elas foram explicadas e respondidas.


Imagens encaminhadas ao ClicRDC

Solução

O presidente explicou que os moradores gostariam que fossem colocadas lixeiras neste ponto, mas que a coleta também acontecesse diariamente. Ele disse ainda que uma vez relataram aos moradores que quem deixava os materiais naquele ponto eram pessoas do interior, mas Gehlen contou que já flagraram moradores de outros bairros depositando objetos no local.

Vanusa explica que a prefeitura fez um trabalho porta a porta nas casas do bairro, para orientar os moradores. Segundo ela, no local acontece três vezes (segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira) a coleta dos resíduos recicláveis e três vezes (terça-feira, quinta-feira e sábado) a coleta do lixo orgânico. Vanusa ressalta que cada morador deve ter sua própria lixeira e colocar no dia certo, pois a coleta acontecerá casa em casa.

Para Vanusa, o morador não pode justificar que a coleta precisa ser diária, “A ideia é reduzir a produção de lixo e não coletar mais, por que isso estimula uma produção ainda maior de resíduos”, fala Vanusa.

Placas

Placas foram colocadas na tentativa de orientar as pessoas que o local não deve servir como depósito de lixo. O presidente comentou que uma das placas permaneceu no local cerca de duas semanas, outra feita por moradores não durou um dia.

A placa que está exposta agora foi colocada pelo Gehlen há 20 dias, mas precisou ser colocada em um ponto mais alto. “Apesar de alertar, as placas também não inibiram que a prática”, pontuou.



Bairro

O presidente disse que o bairro possui 1100 lotes, sendo que atualmente moram no local cerca de 600 famílias. Ele explicou que no Desbravador a coleta funciona corretamente. O problema é o depósito que se formou na entrada do bairro.

Vanusa reitera a necessidade de cada morador ter a sua lixeira.

“Os moradores precisam ter a sua lixeira em casa, que a coleta irá passar porta a porta. O bairro Desbravador é igual ao bairro Saic, Engenho Braun, Bela Vista, que são exemplos inclusive, onde a coleta acontece porta a porta e não automatizada por contêineres. Então cada um é responsável por ter seu recipiente e a prefeitura é responsável por coletar e dar o destino final a esses resíduos”, salienta Vanusa.

Gehlen fez um vídeo no local para denunciar a situação.



Vanusa fala que a prefeitura de Chapecó orienta os moradores a respeitar o cronograma de coletas. Caso não houver a coleta no dia previsto, o morador pode nos ligar no telefone: 33193629, que notificaremos a empresa, pela a falta