Projeto quer proibir fiscalização com radares em rodovias estaduais de Santa Catarina - ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

Projeto quer proibir fiscalização com radares em rodovias estaduais de Santa Catarina

Segundo o deputado Cobalchini (MDB), idealizador do projeto, as fiscalizações “Tem condão puramente arrecadatório, já que não se presta a promover a educação preventiva dos motoristas, conforme preconiza o Código de Trânsito Brasileiro”

*Informações Diário Catarinense

O deputado Valdir Cobalchini (MDB) apresentou o primeiro projeto na Assembleia Legislativa de Santa Catatina (Alesc), em 2019. A proposta quer proibir o uso de radares móveis, estáticos e fixo nas rodovias estaduais.

Foto: Patrick Rodrigues

“Tem condão puramente arrecadatório, já que não se presta a promover a educação preventiva dos motoristas, conforme preconiza o Código de Trânsito Brasileiro” disse o deputado sobre o uso dos equipamentos.

Se aprovada, a SC-108, que passa por Blumenau, será uma das impactadas no Vale do Itajaí. A proposta de Cobalchini vem dois meses depois de a Polícia Militar Rodoviária (PMRv), responsável pela fiscalização das rodovias estaduais, implantar sete novos pontos de monitoramento em Blumenau.

Todos eles estão no trecho entre os quilômetros 63,4 e 69,5, na Serra da Vila Itoupava. O reforço na fiscalização veio depois de reivindicações da comunidade e de uma constatação das autoridades: o número de acidentes e mortes no local é alto.

O especialista em trânsito Fábio Campos se mostra contrário a proposta. Para ele, os radares são parte importante do conjunto de segurança das estradas que engloba também a boa formação dos motoristas.

“Não tem que se excluir, mas cobrar para que sejam instalados onde realmente é necessário” defende.

Se aprovada, a proposta irá contra o que prevê o Conselho Nacional de Trânsito (Contran), aponta a especialista Márcia Pontes. Ela defende que os parlamentares deveriam fiscalizar a boa aplicação dos recursos obtidos na fiscalização das infrações e não manter o discurso da indústria da multa.

“Se aprovada, os deputados que votarem favoráveis terão sangue nas mãos. A fiscalização por si só já não dá conta, imagina se tirar o pouco que tem” lamenta.

Segundo levantamento da CBN/Rádio, com dados do Detran, o deputado Cobalchini cometeu pelo menos 36 infrações de trânsito, 28 delas por excesso de velocidade. As infrações somam 172 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do deputado. Há 13 multas por por trafegar com velocidade até 20% superior ao limite da via; nove por excesso registrado entre 20% e 50% do máximo da estrada; cinco por dirigir com velocidade 50% maior que o limite; e uma por não reduzir a velocidade em área com controle feito por agente de trânsito.

Comentários do Facebook