Santa Catarina registra 156 casos de dengue

Chapecó é um dos 100 municípios considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti

Foto: Arquivo/Agência Brasil

Em 2020, Santa Catarina registrou 156 casos de dengue. Outros 408 casos estão sob investigação, e cerca de 100 municípios – o que inclui Chapecó – são considerados infestados pelo mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti. Os dados foram divulgados pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE/SC), na tarde de quinta-feira (5). 

O relatório consta, ainda, que 9.863 focos do mosquito foram encontrados – o que representa um aumento de 31,3% nestes números, em relação ao que foi identificado em 2019 (7.509 focos). 


Foto: Reprodução/DIVE

Segundo a DIVE, no período de 29 de dezembro de 2019 a 29 de fevereiro de 2020,  948 casos suspeitos de dengue foram notificados no Estado. Desses, 156 (16%) foram confirmados , um foi considerado inconclusivo, pois a investigação ainda não foi concluída, 383 (40%) foram descartados por apresentarem resultado negativo para dengue e 408 (43%) seguem sob investigação pelos municípios.

Do total de casos confirmados até o momento, 67 das transmissões aconteceram dentro do Estado, 70 casos são importados,  sete casos são indeterminados e 12 casos seguem em investigação.

LEIA MAIS: Segundo caso de Dengue é confirmado em Chapecó;

Chikungunya e zika

As outras duas doenças transmitidas pelo mesmo mosquito, Aedes aegypti, ainda não apresentam casos confirmados em Santa Catarina. Foram notificados 105 casos de febre de chikungunya, mas 54 (51% dos casos) foram descartados e 51 (49%) permanecem como suspeitos. Já o zika vírus registrou 15 casos suspeitos. Desses, seis (40%) foram descartados e nove (60%) permanecem como suspeita. 

Orientações para evitar a proliferação do Aedes aegypti:

  • evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usá-los, coloque areia até a borda;
  • guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;
  • mantenha lixeiras tampadas;
  • deixe os depósitos d’água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;
  • plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;
  • trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;
  • mantenha ralos fechados e desentupidos;
  • lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;
  • retire a água acumulada em lajes;
  • dê descarga, no mínimo uma vez por semana, em banheiros pouco usados;
  • mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;
  • evite acumular entulho, pois ele pode se tornar local de foco do mosquito da dengue;
  • denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;
  • caso apresente sintomas de dengue, chikungunya ou zika vírus, procure uma unidade de saúde para o atendimento.