Dive alerta para baixa procura da vacina contra febre amarela em SC - ClicRDC | Notícias de Chapecó e região

Dive alerta para baixa procura da vacina contra febre amarela em SC

Cobertura está em 54%. População com idade acima de 9 meses pode se vacinar

*Informações G1

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC) alerta para a baixa procura da vacina contra a febre amarela no estado. A cobertura está em 54%. Como desde 2018 o estado virou área de recomendação para a vacina, a população deve procurar as salas de vacinação.

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Todos podem ser imunizados, a partir dos 9 meses de idade. Quem já tomou, mesmo há muitos anos, não precisa se vacinar de novo.

Sintomas e risco

A doença traz no nome os principais sintomas: começa com febre e evolui para o fígado. A infectologista Marise Mattos explica: “Febre, dor de cabeça, dor no corpo, na barriga, dor nas costas. A pessoa fica às vezes com o olho também vermelho. E derruba”.

Derruba, mas na maioria dos casos o paciente se recupera. O que preocupa é que a febre amarela pode matar. Segundo a infectologista, “Cerca de 15% a 20% das pessoas que têm febre amarela podem evoluir para uma forma mais grave. E, dessas que têm uma forma mais grave, de 20% a 50% podem falecer”.

Baixa cobertura

Santa Catarina ainda não tem casos confirmados de febre amarela. Por enquanto, três estão sendo investigados: são de pessoas que viajaram para áreas onde o vírus está circulando e que não estavam vacinadas. Mas a doença está mais perto do estado. No final do mês passado, o Paraná confirmou o primeiro caso.

Especialistas alertam que o vírus está descendo para o Sul. No ano passado, a doença foi considerada epidemia em São Paulo, onde matou 176 pessoas.

Para a chefe da divisão de imunização da Dive/SC, Ariele Fialho, a cobertura da vacina Em Santa Catarina precisa melhorar: “Está bem baixa aqui no estado e isso nos preocupa muito porque, com a provável chegada do vírus, a vacina é o único meio de proteção. Então as pessoas têm que se vacinar e nós temos que melhorar essa cobertura”.