Com 86 casos confirmados de coronavírus, Governo prorroga decreto por mais sete dias em SC

O anúncio foi feito pelo governador

Foto: Warley de Andrade/TV Brasil

O Governo de Santa Catarina anunciou, na tarde desta segunda-feira (23), que o decreto de situação de emergência será prorrogado por mais sete dias no estado. O anúncio foi feito pelo governador Carlos Moisés durante coletiva. O estado registrou, até as 18h de hoje, 86 casos confirmados de coronavírus.


Leia mais: Número de mortes por coronavírus no Brasil sobe para 34


No boletim anterior, divulgado pelo governo, havia 68 casos confirmados no estado.

Os municípios com casos confirmados (por localidade de notificação) são: Florianópolis (15), Braço do Norte (9), Criciúma (9), Blumenau (7), Itajaí (7), Tubarão (7), Balneário Camboriú (6), Joinville (4), São José (4), Chapecó (2), Gravatal (2), Imbituba (2), Jaraguá do Sul (2), Rancho Queimado (2), Porto Belo (2), Gaspar (1), Içara (1), Jaguaruna (1), Lages (1), Navegantes (1) e Pomerode (1).

O governador reforçou a importância de que todos se mantenham em casa. “O melhor remédio é o isolamento social para evitar ao máximo o contato com as pessoas e reduzir as chances de contaminação pelo coronavírus”, destacou.

Por instabilidade no sistema do Ministério da Saúde, o estado segue com 410 suspeitos em análise. O secretário de Estado da Saúde, Helton Zeferino, ressaltou a necessidade de que todos adotem as medidas de prevenção e que começaram a traçar o perfil dos pacientes.

“Estamos começando a traçar perfil e ele é baseado nos pacientes que começaram a entrar na rede hospitalar. Os quadros mais graves são aqueles de pacientes com idades avançadas, mas tivemos registros de pacientes adultos jovens internados em terapia intensiva. Bom ressaltar que isso não significa que as crianças ou adultos jovens não necessitem tomar os devidos cuidados e seguir nossas recomendações de isolamento social”.

O secretário também comentou sobre a diferença entre dados de alguns municípios e do Estado em relação ao número de casos.

“É importante explicar que para ter um caso suspeito, após ele ser levantando pelos profissionais de saúde do município, é necessário que esse caso seja notificado em um sistema próprio de vigilância. A mesma coisa acontece com os laboratórios privados. É natural que tenhamos essa diferença nos casos até que o sistema esteja abastecido”, explicou.