OUÇA AO VIVO

InícioRobson SantosOs últimos serão os primeiros?

Os últimos serão os primeiros?

Leia a coluna da Quinta da Opinião de Robson Santos

Um pleito eleitoral não deixa de ser um páreo, tecnicamente, uma boa largada é sempre um diferencial para o resultado da corrida.

Bolsonaro, eleito sob o discurso que faria apenas um único mandato, desde a posse não saiu do palanque e já se colocou no pleito eleitoral como candidato à reeleição, definindo inclusive, com seu discurso extremista o opositor, que foi na mesma esteira. Bolsonaro e Lula, se colocaram como opositores mútuos e vêm realizando campanha antecipada há tempos. Largando na frente nesta competição.

Agora, cerca de 150 dias do primeiro turno de outubro, surgem alguns contornos sobre a definição da terceira via com Simone Tebet, candidata do MDB; sem dúvida, o partido de maior tradição e representatividade nas eleições brasileiras.

- Continua após o anúncio -

A desistência de Moro e agora de Dória, abrem caminho para uma candidatura feminina, representante do Agronegócio, que congrega consigo parte dos partidos de centro esquerda, assim como àqueles definidos como centrão, dividindo o apoio das duas candidaturas polarizadas ao Governo Federal.

São menos de cinco meses para a definição de uma chapa competitiva e que demonstre potencial para brigar por uma vaga ao segundo turno. A dúvida é exatamente essa, se haverá tempo suficiente, para quem largou tarde, ascender na escolha do eleitorado.

As pesquisas mostram que cerca de 25% dos eleitores aguardam uma terceira via consistente, ou seja, essa é a parcela capaz de trazer um novo cenário para o segundo turno, basta, na minha opinião, da nova candidatura demonstrar força e coesão, além de um projeto de governo voltado ao desenvolvimento e ao equilíbrio. É evidente que uma parcela dos eleitores não aceita os extremismos da direita conservadora ou da esquerda.

Não tenho dúvida que Bolsonaristas e Lulistas iniciarão uma campanha de oposição ao nome da Senadora Simone Tebet, denegrindo sua imagem inclusive, estratégia comum de Lula e Bolsonaro, que, curiosamente, eram aliados em 2002, ou como dizem, farinha do mesmo saco!

Se os últimos serão os primeiros, ainda é difícil de prever, mas obviamente será uma concorrência acirrada, até desleal, porém, uma terceira via é necessária para que possamos escolher e fazer vencer, literalmente, o melhor!

Publicidade

Notícias relacionadas

SIGA O CLICRDC

123,931FansLike
45,000FollowersFollow
59,003FollowersFollow
6,620SubscribersSubscribe