Governo Bolsonaro tem a primeira baixa - ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

Governo Bolsonaro tem a primeira baixa

Presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), Alecxandro Pinho Carreiro, não resistiu à pressão e pediu demissão do cargo com uma semana de trabalho

O governo Jair Bolsonaro teve a sua primeira baixa. O presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), Alecxandro Pinho Carreiro, não resistiu à pressão e pediu demissão do cargo com uma semana de trabalho. Para que ele ficasse à frente da entidade, o estatuto da agência teria de ser alterado porque o publicitário não é fluente em inglês e não tem experiência no setor público na área de comércio exterior. Destacava no currículo estampado na página da Apex apenas uma passagem pelo Sebrae, onde era estagiário há menos de uma década.

Alecxandro Carreiro ficou uma semana na frente da Apex Foto: Divulgaçao

Carreiro passou o dia em reuniões para decidir quais respostas daria em relação ao seu currículo. No fim da tarde, se reuniu com o ministro das Relações Exterior, Ernesto Araújo, para quem se reporta na hierarquia do governo. No Twitter, o chanceler comunicou que ele deixaria o cargo e anunciou a indicação do embaixador Mário Vilalva para o cargo.

“O Sr. Alex Carreiro pediu-me o encerramento de suas funções como Presidente da Apex. Agradeço sua importante contribuição na transição e no início do governo. Levei ao presidente Bolsonaro o nome do embaixador Mario Vilalva, com ampla experiência em promoção de exportações, para presidente da Apex”, escreveu o chanceler.

Após ter trabalhado no Sebrae, foi integrante da equipe de marketing da Caixa Econômica Federal. Trabalhou no núcleo de mídia da Caixa. Menos de uma década depois, assume o comando da Apex. Ele era próximo do filho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro.

O resumo do currículo de Carreiro, que está no site da agência, diz que ele é pós-graduado em gestão pública e que desempenhou funções de “alto nível em diversos órgãos da administração pública”. Na Secretaria Nacional de Portos, teria sido o responsável pela articulação ministerial. Anteriormente, teria atuado junto ao Sebrae Nacional em programas de empreendedorismo. O site diz ainda que ele trabalhou com consultoria estratégica, tanto no Legislativo, quanto no Executivo. No entanto não fala em trabalhos na área de comércio exterior.

A Apex não se manifestou. A agência passou por uma reformulação no governo Michel Temer. Ela saiu da alçada do comércio exterior e passou a se reportar ao Itamaraty para usar as estruturas das embaixadas para promover as empresas nacionais.

A empresária Letícia Catel, apoiadora do então candidato Jair Bolsonaro durante a campanha, também foi indicada para assumir a diretoria de negócios da Apex. Embora seu nome ainda não tenha sido publicado no Diário Oficial, Letícia – que é do ramo industrial e especialista em comércio exterior – esteve ontem na agência, onde participou de reuniões.

Letícia trabalhou na equipe de transição. Fez assessoria para o então futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Junto com ela, foi indicado para a Apex, para assumir a diretoria de gestão, o estrategista político Marcos Coimbra.

*Informações O Globo