PF investiga equipe da Receita Federal que acessou dados de Bolsonaro - ClicRDC | Notícias de Chapecó e região

PF investiga equipe da Receita Federal que acessou dados de Bolsonaro

Advogado de investigado alega “ingenuidade”

Segundo o colunista do O Globo, Lauro Jardim, dois servidores da Receita Federal acessam dados do presidente Jair Bolsonaro e de familiares, em computadores de Campinas e Cachoeiro do Itapemirim (ES). Na noite desta sexta-feira (5) a Polícia Federal (PF) apreendeu os computadores usados. A operação da polícia teve como ponto de partida uma investigação interna da própria Receita sobre acesso irregular a informações do presidente no sistema do Fisco.

Um dos alvos da investigação é Odilon Ayub Alves, lotado em uma unidade da Receita em Cachoeiro de Itapemirim, no sul do Espírito Santo. Na quinta-feira (4), Odilon prestou esclarecimentos na Delegacia da PF de Vitória por cerca de uma hora e foi liberado. O teor das declarações não foi divulgado.

A Receita Federal informou que abriu sindicância para apurar as circunstâncias do acesso de dois servidores a “informações fiscais” de Bolsonaro e de integrantes de sua família. A suposta invasão foi descoberta em janeiro. De acordo com a Receita, a PF foi notificada após a constatação de que não havia “motivação legal” para os acessos.

Com base nas informações preliminares da Receita, a PF abriu inquérito e apreendeu computadores para aprofundar a apuração. A investigação pode levar à prisão dos servidores. O acesso às informações fiscais do presidente, independentemente da motivação, pode configurar delitos como abuso de autoridade, quebra de sigilo funcional e crime contra a Segurança Nacional. Os servidores também vão responder a Processo Administrativo Disciplinar na Receita Federal, que pode resultar em suas demissões.

O advogado Yamato Ayub, irmão de Odilon, disse que tudo não passou “de uma brincadeira” e começou quando o servidor estava atendendo um senhor de nome Jair na unidade da Receita onde trabalha, em Cachoeiro do Itapemirim. Segundo o advogado, o irmão brincou perguntando se o tal Jair tinha sobrenome “Bolsonaro”.

“Ele acessou o sistema inadvertidamente para ver a data de nascimento do (presidente Jair) Bolsonaro. Foi curiosidade, infantilidade, ingenuidade. Não houve vazamento de dados. Não houve acesso a patrimônio. Tudo sem maldade. Vamos aguardar o resultado do inquérito” comentou.

De acordo com Yamato, o irmão fez a consulta no sistema da Receita Federal em outubro do ano passado, quando Bolsonaro era candidato à Presidência. O nome de Bolsonaro permanece em constante vigilância após o atentado sofrido em setembro de 2018, em Juiz de Fora (MG).

Odilon é irmão da deputada federal Norma Ayub (DEM-ES). Em nota, a deputada declarou não ter nenhuma relação com o caso.

“Esclarecemos ainda que o irmão não foi incriminado, apenas foi prestar esclarecimentos em uma investigação. Trata-se de um caso isolado do Odilon, sem nenhuma relação com a atividade parlamentar de Norma Ayub”, afirmou a nota.

A Superintendência da Polícia Federal no Espírito Santo informou, em nota, “que não comenta eventuais investigações em andamento”.

*Informações O Globo