Durante duas horas, Lula fica em silêncio em depoimento para a PF - ClicRDC | Notícias de Chapecó e região

Durante duas horas, Lula fica em silêncio em depoimento para a PF

Oitiva ocorreu na manhã desta sexta-feira (5) na Polícia Federal, em Curitiba

Informações do G1

Ex-presidente está preso em Curitiba (PR), desde abril de 2018 – Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Preso pela Operação Lava Jato desde abril de 2018, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prestou depoimento na Polícia Federal (PF) na manhã desta sexta-feira (5). O depoimento iniciou por volta das 9h e terminou pouco antes das 11h. A PF informou que Lula ficou em silêncio.

“Ninguém é obrigado a depor sobre um processo sigiloso, sobre documentos ocultos. E é isso que a defesa está buscando, a defesa está buscando exercer um direito, o direito de ter acesso a uma investigação antes que o ex-presidente venha prestar depoimentos”, afirmou o Cristiano Zanin Martins, advogado de Lula, ao sair da PF.

O advogado deixou claro que a defesa não teve acesso aos autos do inquérito e, por isso, o ex-presidente ficou em silêncio.

O fato de a defesa não ter tido acesso aos documentos já foi motivo para que a oitiva fosse adiada. Contudo, de acordo com Zanin, a defesa ainda não teve esse acesso à íntegra das investigações.

“O ex-presidente é o maior interessado em esclarecer a verdade dos fatos, mas a defesa não pode abrir mão de uma garantia constitucional que é a de conhecer a íntegra do processo antes que ele vá prestar um depoimento”, disse Zanin.

Depoimento suspenso

Esse depoimento estava marcado para 22 de março, mas foi suspendido pelo ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que atendeu a um pedido da defesa do petista. Lula foi condenado em dois processos da Lava Jato.

O depoimento é referente a inquéritos que tramitam na Justiça Federal do Paraná. Em março, a defesa do ex-presidente argumentou que ele não havia tido acesso a uma série de relatórios e laudos, o que representava cerceamento de defesa.

Ao analisar o pedido, Fachin deu razão à defesa e determinou que os advogados tenham no mínimo cinco dias para analisar o material.

Inquéritos

Os inquéritos sobre os quais ele deve prestar depoimento envolvem os seguintes fatos:

Se houve lavagem e corrupção em razão do suposto pagamento de propina pela Odebrecht no caso de navios-sonda construídos pela Sete Brasil;

Se houve lavagem, corrupção e cartel em relação a atos de Lula na construção da Usina de Belo Monte.

Versão de Lula

Desde o início das investigações, a defesa de Lula afirma que o ex-presidente não cometeu crimes antes, durante ou depois do mandato, acrescentando que não há provas contra Lula. O próprio Lula também já disse reiteradas vezes que é inocente e não cometeu irregularidades.