Vítimas do coronavírus são enterradas sem funerais em todo o mundo

O coronavírus já matou quase 9 mil pessoas em todo o mundo

Informações Agência Brasil

Crédito: Flávio Loscalzo/Agência Brasil

Em qualquer local que o coronavírus tenha atingido, independentemente de cultura ou religião, rituais antigos para homenagear os mortos e confortar os enlutados estão sendo abreviados ou descartados pelo medo de aumentar o contágio. O vírus, que já matou quase 9 mil pessoas em todo o mundo, está reformulando muitos aspectos da morte. 

Na Irlanda, a autoridade de saúde está aconselhando os funcionários de necrotérios a colocarem máscaras em cadáveres para diminuir até o menor risco de infecção.Na Itália, uma empresa de funerais está usando links de vídeo para permitir que famílias em quarentena vejam um padre abençoar o falecido. Na Coreia do Sul, o medo do vírus está provocando uma redução tão grande no número de pessoas nos funerais que empresas que servem refeições nestas ocasiões sofrem para se manter.

Há pouco tempo para cerimônias em cidades muito atingidas, como Bérgamo, ao nordeste de Milão, onde os necrotérios estão lotados e o crematório está funcionando em tempo integral. A Itália já relatou quase 3 mil mortes decorrentes da Covid-19, a doença causadas pelo coronavírus – a cifra mais alta fora da China, onde o vírus surgiu. O Exército enviou 15 caminhões e 50 soldados a Bergamo para transferir corpos para províncias menos sobrecarregadas. Na região toda e qualquer aglomeração em velório está proibída. 

No Irã, assim como no norte da Itália, funcionários de hospitais e necrotérios lidam com uma sobrecarga de corpos. O vírus já matou 1.284 pessoas e infectou milhares na nação, de acordo com a televisão estatal.  As autoridades contrataram mais gente para cavar túmulos, a maioria dos corpos chega de caminhão e é enterrada sem o ritual de lavagem que o islamismo dita.

Em vários países, levas de infecções surgiram depois de funerais. Na Coreia do Sul, onde mais de 90 pessoas morreram, o governo indicou que as famílias de vítimas da Covid-19 a cremarem seus entes queridos primeiro e realizarem os funerais mais tarde. Os funerais coreanos costuma acontecer nos hospitais e envolvem três dias de orações e banquetes. Na Irlanda, por enquanto ainda se permite até 100 convidados em todos os funerais, mas a maioria das famílias está optando por pequenas cerimônias particulares e incentivando outros a expressarem seus pêsames pela internet em sites específicos onde convites a funerais costumam ser publicados.