Explosão de carro-bomba em escola da polícia deixa mortos na Colômbia - ClicRDC | Notícias de Chapecó e região

Explosão de carro-bomba em escola da polícia deixa mortos na Colômbia

Até o momento, há 9 mortos e 54 feridos, segundo autoridades. Presidente Iván Duque classifica como ‘ato terrorista’

Nesta quinta-feira (17), um carro explodiu em uma escola da polícia de Bogotá, capital colombiana. O Ministério da Defesa, citado pelos meios locais, afirmou que 9 pessoas morreram e 54 ficaram feridas na Academia de Polícia General Santander. O presidente da Colômbia, Iván Duque classificou o incidente como “ato terrorista”. As autoridades investigam o caso.

Carro em chamas é visto em academia da polícia colombiana nesta quinta-feira (17) em Bogotá — Foto: AP Photo

O jornal “El Tiempo” diz que as primeiras versões sobre o caso indicam que um homem chegou dirigindo um veículo utilitário até a porta da escola. Na entrada, um cão farejador detectou o perigo e quando os agentes tentaram impedir o carro, ele acelerou e atropelou um dos vigias.

Em seguida, avançou em alta velocidade por pouco mais de 200 metros e explodiu quando passou perto do alojamento das mulheres na escola. Uma fonte policial disse ao jornal que o motorista está entre os mortos.

Pouco antes de o carro explodir, era realizada uma cerimônia de promoção de cadetes. Imagens postadas nas redes sociais mostram restos de um carro calcinado.

Serviços de emergência vão a academia da polícia em Bogotá em que carro explodiu nesta quinta-feira (17) — Foto: AP Photo

Pelas redes sociais, Duque afirmou que vai ao local e que pediu que os autores do ataque sejam levados à Justiça. “Estou voltando imediatamente a Bogotá com a Cúpula Militar, diante do miserável ato terrorista cometido na Escola General Santander contra nossos policiais”, postou.

“Vamos ao lugar dos fatos. Dei ordens para a Força Pública para determinar os autores desse ataque e levá-los à Justiça. Todos os colombianos rejeitamos o terrorismo e estamos unidos para enfrentá-lo. A Colômbia está entristecida, mas não se curva com a violência”, escreveu em outro postagem.

*Informações G1