Após ciclone, Moçambique enfrenta risco de surto de cólera

(Foto: Siphiwe Sibeko/ Reuters/Direitos Reservados)

Informações Agência Brasil

Depois da passagem do Ciclone Idai passar e devastar Moçambique, o país está sob um novo risco, a cólera. Segundo as autoridades estrangeiras, há vários registros de mortes em decorrência da doença nos centros de acolhimentos.

Na região da cidade de Beira, a mais atingida pelo desastre, há 228 mil pessoas abrigadas em ambientes sem condições de higiene. A Cruz Vermelha Internacional advertiu que Moçambique enfrenta momento delicado e cercado de ameaças. A comida é escassa.

O cólera, o tifo e a malária são doenças transmitidas através da ingestão de água ou alimentos contaminados e alastram-se em ambientes de pouca higiene.

Pelos últimos dados, morreram 446 pessoas em Moçambique. Para as agências humanitárias, o desastre em Moçambique tem semelhanças com as tragédias humanitárias do Iêmen e da Síria.

No total morreram 686 pessoas devido à tempestade que atingiu Moçambique, Zimbábue e Malaui, informou um balanço divulgado pela Reuters.