“Eu já sofri ataques racistas”, diz Roberto, lateral da Chapecoense

O jogador da Chapecoense falou sobre este assunto com o Portal ClicRDC


Foto: Sirli Freitas/ACF

Após a morte de George Floyd, um homem negro que foi atacado na Carolina do Norte (EUA), o racismo voltou a ser pauta de protestos. No mundo esportivo, muitos jogadores se posicionaram sobre o assunto. Roberto, lateral-esquerdo da Chapecoense, falou sobre ao portal ClicRDC.

“Eu vejo este movimento como algo bastante positivo. As pessoas estão vendo que é algo bem sério. Claro que tivemos uma tragédia, mas eu vejo que várias pessoas já sofreram isso antes. Também temos que ver o que já aconteceu”, disse o jogador.


Foto: Sirli Freitas/ACF

Na carreira, Roberto passou por alguns clubes. Entre eles, o Santa Cruz (PE) e foi lá que sofreu ataques racistas. “Aconteceu quando eu estava em Recife. A mulher do prédio que eu morava ligou no apartamento e perguntou a minha esposa se eu era criolo”, revelou.

No acontecido, o atual jogador da Chapecoense não levou a situação adiante. “Isso não pode acontecer. Quando ocorre, algumas pessoas chegam e falam para deixar pra lá. Temos que fazer algo e tomar atitudes para mostrar quem são os preconceituosos”, disse.


Foto: Márcio Cunha/ACF

Para finalizar, Roberto falou sobre a responsabilidade do jogador de futebol sobre este assunto. “O papel do atleta é se posicionar, pois só o fato de ser pessoas públicas há uma mobilização maior. Eu não falo só jogadores negros, mas todos os atletas brancos também”.