SC fecha 2018 com o menor percentual de trabalhadores sem carteira assinada no país - ClicRDC | Notícias de Chapecó e região

SC fecha 2018 com o menor percentual de trabalhadores sem carteira assinada no país

Dados da Pnad Contínua, apurados pelo IBGE, foram divulgados nesta sexta-feira (22)

*Informações Diário Catarinense

Santa Catarina tem o menor percentual de informalidade entre os demais Estados. Dados da Pnad Contínua, apurados pelo IBGE e divulgados nesta sexta-feira (22), mostram que, no último trimestre de 2018, 13,2% dos empregados no setor privado não tinham carteira assinada — ou seja, 86,8% do empregados estavam com a carteira assinada.

No terceiro trimestre do ano passado, SC também estavam em primeiro lugar com 6,2% de desocupados. Nacionalmente, houve aumento de 0,3% em relação ao trimestre anterior, incremento de 31 mil pessoas. Se comparado com o último trimestre de 2017, a alta foi de 3,8% (427 mil pessoas).

As maiores proporções foram observadas no Maranhão (49,4%), Piauí (47,8%) e Pará (46,4%). Já entre os menores índices, além de SC, estão Rio Grande do Sul (18,0%) e São Paulo (19,7%). A taxa média anual dessa população ficou em 11,2 milhões de pessoas. Frente a 2017, houve aumento de 4,5% (482 mil pessoas).

SC registra menor taxa de desocupação

O Estado também foi destaque na avaliação das taxas de desocupação. Segundo o IBGE, SC registrou o menor percentual (6,4%), seguida pelo Mato Grosso (6,9%) e pelo Mato Grosso do Sul (7%). No Brasil, a taxa de desocupação no período analisado foi de 11,6%, 0,3 ponto percentual abaixo do trimestre anterior, quando foi registrado 11,9%. Ao todo, os níveis de desocupação caíram em apenas seis dos 27 Estados. Amapá (19,6%), Bahia (17,4%) e Alagoas (15,9%) possuem as maiores taxas de desocupação.

No quarto trimestre do ano passado (meses de dezembro, novembro e outubro), 93 milhões de pessoas estavam ocupadas no país. Desse total, 67,1% estavam empregadas, 4,9 eram empregadores e 25,6% eram pessoas que trabalhavam por conta própria. Em Santa Catarina, o IBGE calcula que 21,8% das pessoas trabalhem por conta própria, atrás apenas de São Paulo (21,5%) e do Distrito Federal (20,4%).