OUÇA AO VIVO

InícioClicAgroBrasil deve bater novo recorde de exportações com commodities em alta, dizem...

Brasil deve bater novo recorde de exportações com commodities em alta, dizem especialistas

ClicAgro - O seu boletim diário com as notícias do campo

Foto: Reprodução / ACCS

A alta das commodities (os produtos básicos comercializados em bolsas internacionais), causada pelo impacto duplo da pandemia seguida pela guerra na Ucrânia, está impactando os preços dos alimentos e da energia para os consumidores do Brasil e do mundo.
 
Por outro lado, para os grandes fornecedores desses produtos, como o Brasil, os preços de produtos como grãos, carnes, petróleo e minérios em níveis recordes devem também ajudar a turbinar as exportações.
 
Economistas e relatórios consultados pelo CNN Brasil Business apontam que a expectativa é de que o Brasil renove neste ano tanto o seu recorde de exportações quanto do saldo na balança comercial, que é a diferença entre tudo o que o país importa e o que vende para fora.
 
Esses recordes foram batidos em 2021, já impulsionados pela primeira onda de valorização das commodities durante a pandemia. No ano passado, o país alcançou US$ 280,8 bilhões em exportações e um superávit de US$ 61,4 bilhões na balança comercial.

Leva de revisões

Muitos bancos e casas de análises estão revisando as projeções para a balança comercial para cima, dado que entre janeiro e abril os recordes mensais de exportações continuaram a ser renovados, puxados por produtos como milho, soja, café, carnes, petróleo e minérios.

- Continua após o anúncio -

Os mais otimistas falam em um resultado que pode até passar dos US$ 80 bilhões.

O Banco Central, por exemplo, revisou em março suas projeções para as exportações deste ano de US$ 276 bilhões para US$ 328 bilhões, enquanto a expectativa para o saldo foi ajustada de US$ 52 bilhões para US$ 83 bilhões.

Ainda mais otimista, o Ministério da Economia fala em US$ 348 bilhões em exportações e um superávit de R$ 111,6 bilhões em 2022, pelas projeções mais recentes da pasta.

“Nosso cenário base é de um superávit comercial de US$ 70 bilhões, mas, se esse ritmo de ascensão dos preços continuar, pode passar dos US$ 80 bilhões”, diz o economista do BTG Pactual Leonardo Paiva.

“Isso tem consequências importantes, porque melhora a arrecadação de impostos com exportações e as contas públicas”, acrescenta. É também a enxurrada de dólares entrando no país com as vendas para fora, afirma Paiva, que ajudou a baixar e manter a taxa de câmbio mais perto dos R$ 5.

“O cenário mudou com o conflito Ucrânia-Rússia, que deve pressionar ainda mais os preços dos alimentos e combustíveis”, escreveu o Bank of America em relatório a clientes sobre o Brasil.

O banco espera exportações na faixa dos US$ 315 bilhões neste ano e revisou sua perspectiva para o saldo da balança comercial brasileira de US$ 50 bilhões para US$ 65 bilhões.

“As sanções contra o trigo, o milho e a soja da Rússia podem ser uma oportunidade para o Brasil, que é um dos maiores fornecedores de soja do mundo e se beneficia não só da alta de preços, mas também da possibilidade de aumentar seu mercado”, acrescenta o relatório.

Último impulso para o PIB

Foi também a perspectiva de exportações robustas em 2022 um dos fatores que levaram o banco BTG a elevar a sua projeção para o crescimento do PIB brasileiro neste ano, de 0,3% para 0,5%.

A mesma razão – a alta no preço das commodities – levou também o Fundo Monetário Internacional (FMI) a revisar recentemente seus números de crescimento para a economia brasileira, de 0,3% para 0,8%, numa leva de aumentos que o fundo distribuiu para os principais países exportadores desses produtos.

Com consumo espremido pela inflação alta, a renda em queda e os juros nos maiores níveis em cinco anos, as exportações acabaram se tornando uma espécie de último motor a puxar a economia.

Como é basicamente a agropecuária que está puxando a alta, porém, este impulso acaba sendo limitado, e é por isso que, mesmo com a notícia positiva, as projeções para o PIB continuam com dificuldade de passar do 1%.

No primeiro trimestre deste ano, a agropecuária foi responsável por 23% das receitas do país com exportações, a maior marca já registrada para o período desde pelo menos 1998, de acordo com os dados do Ministério da Economia. A indústria de transformação, por sua vez, respondeu por 54%.

Em 2000, a indústria tinha uma participação superior a 80%, enquanto apenas 6% vinham da agropecuária. (Fonte: CNN Brasil)

Cotações

Dólar: R$ 4,97

Saca da soja: R$ 188,50

Saca de milho: R$ 86,00

Arroba do boi: R$ 330,00

Litro do leite: R$ 2,01


ClicAgro tem o patrocínio:

Produce – Inovação colaborativa no campo (https://www.produce.agr.br/#/home)

Sicoob Maxicrédito, faça parte! (https://www.sicoob.com.br/web/sicoobmaxicredito)

Publicidade

Notícias relacionadas

SIGA O CLICRDC

123,931FansLike
45,000FollowersFollow
59,139FollowersFollow
6,620SubscribersSubscribe