Arestide Fidelis deixa prisão após decisão do STJ

Arquivo/ClicRDC

O vereador Arestide Fidelis deixou o Complexo Prisional de Chapecó no final da tarde desta quarta-feira (24), após um habeas corpus concedido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), por volta das 9h.

Arestide estava preso desde o último dia 12 de abril após ter sido condenado há oitos anos e seis meses de prisão, por tentativa de homicídios e embriaguez ao volante. O julgamento durou mais de 12 horas e aconteceu no Fórum de Chapecó.

O advogado de defesa,  Arthur Losekann, afirma que o pedido foi feito ainda na segunda-feira (22), e o deferimento ocorreu no meio da manhã desta quarta. Segundo ele, de início, foi entrado com um recurso no Tribunal de Justiça (TJ), no entanto, foi negado. “Com base nesta negativa, ingressamos no STJ”, afirmou.

Losekann explica que, logo que deixou a prisão, Aristides esteve no escritório jurídico, mas não deve falar com a imprensa nesta quarta. Uma entrevista coletiva deverá ser concedida na manhã desta quinta-feira (25), para detalhar o assunto.

Relembre

O acidente aconteceu no Contorno Viário Oeste, na altura do bairro Santo Antônio, em Chapecó. Segundo testemunhas, Fidélis estava na contramão quando atingiu a lateral do primeiro carro, em que estavam um casal e um menino de quatro anos. A mulher estava grávida de sete meses. O vereador continuou trafegando em alta velocidade na pista contrária e bateu de frente com outro veículo. No carro estavam um casal e os dois filhos – um menino com nove anos e uma adolescente com 13 anos. A jovem teve ferimentos mais graves e traumatismo craniano. Todos os envolvidos foram atendidos por equipes de socorro e se recuperaram.

Após as colisões, segundo o que apurou a investigação, o vereador fugiu do local e pediu para se esconder na casa de uma família moradora do bairro. Os policiais o encontraram no banheiro da residência com forte cheiro de bebida alcóolica, desordem nas vestes, olhos vermelhos e bastante eufórico. O teste do bafômetro apontou a embriaguez. Ele foi preso em flagrante e ficou no Presídio Regional de Chapecó por 33 dias. Após o deferimento de “habeas corpus” pelo Tribunal de Justiça, pagou fiança e foi liberado.