Relator rejeita tirar delações de julgamento Dilma-Temer

Na segunda etapa do julgamento que iniciou na manhã de hoje e terminou no inicio da tarde,  o  relator do julgamento, ministro Herman Benjamin, rejeitou todas as questões preliminares apresentadas pela defesa.

Créditos: Roberto Jayme/Ascom/TSE


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) retomou nesta quarta-feira (7) a segunda etapa do  julgamento que pode, pela primeira vez,  levar à cassação de um presidente da República. São quase 8 mil páginas, divididas em 27 volumes de provas, documentos e argumentos da acusação, defesa e também Ministério Público sobre a suspeita de que a chapa formada por Dilma Roussef (PT) e Michel Temer (PMDB) cometeu abuso de poder político e econômico para vencer as eleições de 2014. 

Na segunda etapa do julgamento que iniciou na manhã de hoje e terminou no inicio da tarde,  o  relator do julgamento, ministro Herman Benjamin, rejeitou todas as questões preliminares apresentadas pela defesa. A Defesa de Dilma e Temer pediu que as informações divulgadas com as delações da JBS não entrassem nos autos deste processo. 

Amanhã, quinta-feira (8) o julgamento continua no TSE. Os ministros aprovaram a convocação de novas sessões já que existe a possibilidade que julgamento previsto para terminar amanhã, se estenda até o fim de semana. 

Temer continua: 

Durante um pronunciamento oficial na manhã desta quarta-feira (7) o Presidente Michel Temer disse  que conduzirá o governo federal até 31 de dezembro de 2018, data em que se encerra, oficialmente, seu mandato presidencial. Além de ser investigado por corrupção durante as eleições de 2014, Temer responde também um processo que tem relação direta com as delações da JBS.