Homem é condenado a três anos e quatro meses por tentativa de homicídio, em Quilombo

O júri foi acompanhado por estudantes do ensino médio, como forma de aprender como ocorre um julgamento

Joarez Caetano da Rosa, de 39 anos, foi a júri popular em Quilombo. Ele era acusado de atingir, com vários golpes de faca, um homem de 40 anos. A vítima ficou ferida gravemente. O crime aconteceu em um bar, no bairro Santa Inês, em 2012. O Conselho de Sentença foi formado por cinco mulheres e dois homens que reconheceram a culpa do réu. A sessão foi presidida pela juíza da Vara Única de Quilombo, Jaqueline Fátima Rover. O agressor foi condenado a três anos e quatro meses. Também atuaram no julgamento o promotor Rodrigo Dezengrini e a advogada de defesa Silvia Rejane Sciega.

Público especial

Os alunos do 3º ano do Ensino Médio Inovador, da Escola de Educação Básica Jurema Savi Milanez, acompanhados pela professora Lilian Sandra Riedi Cima, prestigiaram toda a sessão. Assim puderam observar de perto a forma de atuação do Poder Judiciário em um julgamento de crime doloso contra a vida.

​Programação especial em novembro

Esse julgamento faz parte da programação especial de novembro dos Tribunais de Santa Catarina. É o Mês do Tribunal do Júri, iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para acelerar julgamentos dos crimes dolosos contra a vida. O Judiciário catarinense estima realizar cerca de 100 júris populares em 50 comarcas até o final de novembro. Abertas ao público, as sessões despertam sempre muita atenção e curiosidade. O Tribunal do Júri é composto de sete pessoas, sempre sob a presidência de um juiz.