Profissionais não comparecem e cidades de SC ficam sem reposição do Mais Médicos - ClicRDC | Notícias de Chapecó e região

Profissionais não comparecem e cidades de SC ficam sem reposição do Mais Médicos

Em 28 municípios, ainda não há substitutos para os cubanos que deixaram o programa do governo federal


(Foto: Reprodução/NSC TV)


Informações G1

Desde a saída dos cubanos do Mais Médicos, ainda há cidades em Santa Catarina sofrendo por falta de profissionais para atendimento. Os pequenos municípios são os mais atingidos. A decisão do país caribenho de sair do programa federal provocou no estado uma baixa de 260 médicos e nem todos já foram substituídos.

Ao todo, são 28 municípios à espera de novos profissionais, de acordo com o coordenador do Mais Médicos no estado, Paulo Orsini. Ele afirma que no momento não existe vaga em aberto, já que todas elas têm pretendentes, mas que é preciso esperar até 7 de janeiro pra ver se eles aparecem.

As vagas foram reabertas para profissionais brasileiros, mas 61 delas no estado continuam sem ninguém. Em São Domingos, no Oeste do estado, eram três. Os médicos deveriam ter se apresentado até dia 14 deste mês, mas ninguém apareceu.

A desistência dos profissionais brasileiros começa a dar dor de cabeça. Com a saída das três médicas cubanas das unidades de saúde, restaram apenas outros três médicos de clínica geral para atender uma população de mais de 11 mil habitantes. E o resultado foi que a demanda diária praticamente triplicou.

“A gente está se desdobrando e junto com a equipe, importante ressaltar que a equipe de enfermagem ela faz realmente a diferença. Está sendo feita uma triagem e a pessoas com mais gravidade são passada na frente, né. Aqueles pacientes, um ou outro, que querem somente pedir um exame de check-up estão passando por uma triagem e estão sendo atendidos posteriormente”, disse o médico Masso Okamura.

A esperança é de que o edital que encerrou na sexta-feira (21) traga novos médicos, desta vez, brasileiros. Mas se eles também desistirem das vagas, surge um receio por parte da Secretaria Municipal de Saúde.

“Para eles se apresentarem, esse prazo final é lá no dia 7 de janeiro. E para todas as outras inscrições, o período para inscrição é anterior a 7 de janeiro. O que significa que se um médico brasileiro se inscrever no nosso município hoje e ele não se apresentar antes do dia 7 mas não entrar em contato conosco e desistir da vaga, essa vaga não vai ficar disponível para os médicos estrangeiros. Então pode ser que essa contraposição novamente atrapalhe e pode ser que essa contraposição faça com que a gente continue sem médico”, declarou Juliana.

A funcionária pública Roseli Ribeiro de Jesus é uma das pacientes que lamenta a saída dos estrangeiros. “Era muito bom o atendimento dos médicos cubanos. Eles eram muito atenciosos, acabou gerando falta dos médicos, começou a acumular consultas, pessoas têm que voltar para casa porque falta ficha, né? Foi uma perda muito grande para nós”, disse.