Presidente do Sicom destaca o que se deve esperar dos eleitos - ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

Presidente do Sicom destaca o que se deve esperar dos eleitos

Empresário cita necessidade de mudanças políticas e na gestão pública

Os futuros presidente da República, governador do Estado, senadores, deputados federais e estaduais são o foco das eleições marcadas para os dias 7 e 28 deste mês. Não apenas os eleitores, mas todos os cidadãos, de qualquer parte do País, terão os efeitos do voto, dos compromissos e dos atos de quem for eleito. Nesta entrevista, o presidente do Sicom, Marcos Antonio Barbieri, indica o que deve se esperar de quem vencer o pleito, principalmente em termos de mudanças.

Dos senadores e deputados

– A exigência mínima é pela conduta honesta, íntegra, transparente, pelo compromisso com o desenvolvimento econômico e social, de servir ao País/Estado e não se servir dele, votar e aprovar projetos de interesse do povo e nunca de interesse próprio, observando a responsabilidade fiscal e social.

– Propor e aprovar o enxugamento da máquina pública, privatizando o que for possível e cortar secretarias/autarquias/agências reguladoras inoperantes.  

– Definir teto fixo de gastos dos poderes Legislativo (Câmara/Senado/Assembleias Legislativas/Câmaras de Vereadores) e do Judiciário, sem estar vinculado a receitas de duodécimo ou qualquer outra.

– Definir novas regras previdenciárias de modo a tornar o sistema viável, mais justo e autossustentável.

– Estabelecer o planejamento de investimento regionalizado, a fim de ter equidade nos valores para cada região.

– Definir teto de gastos para cada politico, seja um valor fixo mensal, e que ele seja responsável por pagar suas despesas com viagens, assessores, insumos, etc., fazendo com que percamos o triste rótulo de campeões mundiais de gasto com políticos.

– Propor mudança na forma de fiscalização dos órgãos federais/estaduais com composição do TCE/TCU de forma independente, via eleição e não por indicação do próprio Executivo.

– Implantar a reforma política ampla e irrestrita, que diminua o número de partidos e reavaliando custos eleitorais unificando eleições dentre outras.

– Cortar regalias e vantagens indevidas e imorais, principalmente do poder politico e judiciário, definindo regras claras de salários, gratificações, auxílios, acúmulo de ganhos de funções e aposentadorias.

– Reformular o sistema financeiro e/ou definir que 30% do lucro do mesmo seja aplicado compulsoriamente em infraestrutura através de PPP´s, já que em valores atuais estima-se que o lucro de tais instituições chegue a R$ 80 bilhões ano, o que daria R$ 24 bilhões anualmente para investimentos, gerando empregos e desenvolvimento.

– Combate constante à corrupção, com a transparência total e irrestrita, propondo penas mais duras aos corruptos e corruptores.

Do presidente da República e do governador

Neste interim, o que se espera de um líder maior do País ou do Estado é honestidade, transparência, determinação. Que o governante tenha atitudes firmes e caráter irretocável e que, acima de tudo, mostre compromisso com o Estado que governa ou com o País, servindo ao poder público e não se servindo dele.

Das casas legislativas

– Da mesma forma, exige-se dos eleitos conduta honesta, íntegra, transparente, compromisso com o desenvolvimento econômico e social, servir ao País/Estado, votar, fiscalizar e aprovar projetos de interesse do povo e nunca de interesse próprio ou de grupos minoritários, observando-se a responsabilidade fiscal e social.

– Definir teto fixo de gastos para as casas do Senado/Câmara/Assembleias e Judiciário, sem estar vinculado a receitas.

Do comportamento do eleitor

Que esse comportamento do eleitor seja de cobrança, de forma a exigir que os compromissos sejam cumpridos, de vigilância quanto ao caráter e a conduta dos eleitos.

 

*Com informações Extra Comunica 

Comentários do Facebook