Cristiano Ronaldo admitiu aos advogados que mulher que o acusou de estupro disse ‘não’ e ‘pare’, diz jornal - ClicRDC | Notícias de Chapecó e região

Cristiano Ronaldo admitiu aos advogados que mulher que o acusou de estupro disse ‘não’ e ‘pare’, diz jornal

Caso ocorreu em 2009, quando CR7 se transferia para o Real Madrid

Novas informações sobre a acusação de estupro praticada por Cristiano Ronaldo contra uma ex-modelo norte-americana surgem a todo o momento. A última delas depõe contra as alegações do craque da Juventus, que na segunda-feira (1), usou as redes sociais para chamar de “fake news” a história de Kathryn Mayorga.

O jornal britânico “The Sun” teve acesso aos documentos legais e informou, nesta quarta-feira, que CR7 teria admitido para sua própria equipe jurídica que a mulher disse “não” e “pare” durante o sexo, de acordo com documentos judiciais.

“A papelada legal afirma que o atacante da Juventus disse a uma equipe de “consertadores” (conhecidos como especialistas em proteção pessoal de reputação) que ela disse “não” durante “relações sexuais”. A equipe havia anteriormente submetido perguntas escritas a CR7 perguntando a ele exatamente o que aconteceu entre ele e Mayorga“, conta o jornal.

É relatado em outro questionário que atacante fala de sexo consensual e diz que não houve nenhuma indicação de que ela não estava bem com isso durante ou depois do sexo.

 

O CASO

A história foi revelada em março deste ano, mas voltou à tona na última sexta-feira(28), quando a revista alemã “Der Spiegel” conseguiu falar com a mulher, que revelou detalhes do episódio.

Em 2009, Cristiano Ronaldo, então uma estrela em ascensão, trocou o Manchester United pelo Real Madrid. Empolgado com a transferência para o time dos galáticos, ele foi com amigos para a cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos. Os festejos, no entanto, terminaram com uma denúncia de estupro contra o jogador. O caso foi encerrado com um acordo. CR7 aceitou pagar 375 mil dólares para que a vítima não levasse o caso a público. Nesta sexta, no entanto, a revista alemã Der Spiegel conseguiu falar com a mulher, que revelou detalhes do episódio.

Kathryn Mayorga, que é atualmente professora, conheceu Cristiano Ronaldo no dia do estupro. Ela diz ter repetido por várias vezes as palavras “não” e “para”. Segundo ela, no entanto, o atacante só parou quando terminou o sexo anal forçado. Neste momento, de joelhos, ele procurou se justificar a ela: “Sou um cara 99% legal. Exceto por 1%”.

De acordo com a “Der Spiegel”, o advogado de Kathryn entrou com ação para questionar a validade do acordo firmado entre ela e CR7. A própria afirma que só o aceitou por temer por sua vida e a de seus familiares.

Quando o caso de estupro veio à tona, no ano passado, Cristiano Ronaldo se defendeu. O hoje atacante da Juventus afirmou que o sexo entre eles fora consensual. Pelas redes sociais, Cristiano procurou negar todas as acusações, apelidando-as de “fake news” (notícias falsas).

“O que foi publicado é uma ‘fake news’, eles querem se promover usando meu nome. É normal, eles querem se tornar famosos com o meu nome, é parte do meu trabalho, mas eu sou um homem feliz e está tudo bem”, afirmou, tranquilamente, em seu perfil no Instagram.

 

Polícia reabre o caso

Face às acusações, a polícia de Las Vegas resolveu por reabrir o caso. As acusações em causa foram publicadas pelo jornal alemão “Der Spiegel” em abril de 2017, sendo que a publicação recuperou a história na semana passada.

Isso levou à reabertura da investigação, que se baseia também numa nova denúncia por parte da norte-americana, hoje com 34 anos. Mayorga havia aceitado um acordo extrajudicial em 2010, no valor de US$ 375 mil (cerca de R$ 1,5 milhão na cotação atual), para retirar todas as acusações. Agora, a ação quer anular este acordo.

Além da revista “Der Spiegel”, a rede de TV “CNN” também detalhou em reportagem no fim de semana o processo que Kathryn Mayorga moveu contra Cristiano Ronaldo na última sexta-feira. Mayorga afirma que o português a abusou em um hotel enquanto ela gritava “não”. Segundo a CNN, CR7 se desculpou “dizendo que sentia muito e que geralmente era um cavalheiro”.

*Com informações EXTRA