Mancini: “Não é hora de entrar em desespero”

Em noite de protestos na Arena Condá, técnico da Chape cita maratona intensa de jogos, pede paciência a torcida e afirma que o planejamento continua

A derrota por 1 a 0 para o Atlético-MG na noite de ontem (25) selou a má fase da Chapecoense dentro de campo. Nos últimos seis jogos, foram cinco derrotas e 18 gols sofridos. Hoje, o Verdão amarga o posto de segunda pior defesa do campeonato, perdendo apenas para o Santos, que sofreu 20. Após o término da partida, cerca de 150 torcedores se reuniram no estacionamento do Centro de Cultura Eventos, na saída do estádio, para cobrar jogadores e diretoria a sequência de resultados negativos. Na entrevista coletiva, o técnico Vagner Mancini falou sobre as vaias recebidas pelo time durante o jogo. 

“Eu vou citar um exemplo de alguns atletas que hoje receberam vaias e que estão jogando desde o início do ano, que não tiveram descanso, o único descanso que teriam seria após o jogo do Fluminense, que nós daríamos dois dias de folga. Olha só: nós estamos entrando em julho e eu não consegui dar dois dias de folga para esses atletas. Reinaldo, Wellington Paulista, Girotto. São atletas que jogaram todas as partidas, jogos decisivos, foram muito exigidos. Todo mundo tem que ter um pouco de paciência”, afirmou o treinador. 

A desconfiança de parte da torcida pelo trabalho de Vagner Mancini fez com que o presidente Plínio David De Nês Filho se pronunciasse após o jogo. Maninho, como é conhecido, afirmou a imprensa que “está convicto da continuidade do trabalho. Acreditamos no trabalho do Mancini, do departamento de futebol. Esse trabalho vai continuar. Nós queremos estar entre os dez primeiros do campeonato neste ano. Ninguém pode mudar um time de uma hora para outra, desnecessariamente, pela emoção do momento”.

Mancini ainda citou o desgaste físico dos atletas, relacionado ao extenso calendário de jogos nesta temporada. “A Chape não desaprendeu a jogar. A Chape não perdeu por ‘n’ motivos que estão sendo falados por aí. A Chape perdeu encontrou um adversário aguerrido, por que não conseguiu finalizar bem as chances que teve. Mas não é hora de entrar em desespero. Nós estamos na 10ª rodada do campeonato. O que eu vi no estádio hoje foi um desespero tomando conta. A gente entende o torcedor, entende a vaia, ninguém aqui está indo contra. Nós estamos simplesmente passando para todo mundo que o nosso planejamento está de pé”, completou Mancini. 

Após as declarações, na saída do estádio, Vagner Mancini e Maninho conversaram com torcedores presentes no protesto. A cobrança da torcida, além dos resultados, ficou por conta de reforços para o elenco. A Chapecoense volta aos treinos hoje. Na quarta-feira (28), enfrenta o Defensa y Justicia pela Copa Sul-Americana, às 19h15 (de Brasília), na Argentina. 

Vagner Mancini é o principal alvo de críticas após a sequência de resultados negativos (Sirli Freitas)