Eleições no Verdão: chapa de oposição pede impugnação da situação

Oposição afirma que três membros da situação estão inscritos de forma irregular; veja trechos do documento entregue a Comissão Eleitoral

Pleito eleitoral da Chape em 2018 está marcado por pedidos de impugnações das duas chapas. (Foto: Laion Espíndula)

 

Nesta quinta-feira (8), a Chapa “Renovação”, oposição do presidente Maninho, enviou um documento ao presidente da Comissão Eleitoral, Ilan Bortoluzzi Nazario, que pede a impugnação da Chapa Juntos pela Chape.

Segundo o documento, os integrantes da chapa, Diogo Bertelli, Gilson Vivian e o presidente Plinio David De Nes Filho, após a divulgação da Ata de Decisão, não preencheram os requisitos exigidos para concorrer às eleições e assim, o registro da candidatura da chapa, não pode ser admitido, sob pena ilegalidade em nulidade do pleito. Ainda segundo o documento, os três membros da Chapa Juntos pela Chape, não dispõem de condições mínima de elegibilidade.

O documento explica o porquê da impugnação dos três membros da Chapa “Juntos pela Chape”:

Diogo Bertelli

“O candidato, em claro descumprimento à norma do artigo 19, combinado com § 3º do artigo 11, não deveria ter seu nome homologado, pois não possui o número mínimo de 24 parcelas pegas antecedentes ao pleito para concorrer a cargo eletivo na ACF, desde sua readmissão, mesmo que tacitamente.”

Gilson Vivian

“Causou espécie a decisão da impugnação do Candidato Cezar Antonio Dall Piva, haja vista, que o Sr. Gilson Vivian, atualmente Presidente do Conselho Deliberativo da ACF, este eleito em 2016, se afastou da Presidência do Conselho Deliberativo, de forma pública e notória, inclusive comunicado em Assembleia seu Afastamento, vez que aberto certame licitatório de prestação de serviço de segurança, em maio de 2018, pois entendia de forma ética, que sua participação como gestor do Clube e possível prestador de serviços, acarretaria em imoralidade e ilegalidade.”

O documento continua:

“Como disse anteriormente nos causou espécie a decisão de impugnar o Sr. Cezar Antono Dall Piva, haja vista, que este se licenciou (Não há carta, declaração, ata, rubrica ou qualquer documento da licença assinado, apenas um SMS), para concorrer a Presidente do Conselho Administrativo, pois de forma ética, já que não concorre na chapa da atual gestão, pediu para que durante o processo eleitoral, estivesse licenciado.

Usamos este exemplo, mesmo acreditando que o Sr. Gilson Vivian, regressou ao seu antigo posto, dentro de 90 dias, mas a decisão da Comissão Eleitoral, foi de interpretação diversa, pois o Sr. Cezar Antonio Dall Piva, está licenciado há menos de 10 dias do seu antigo posto (não eletivo).

Usando deste raciocínio, a manutenção da Impugnação do Sr. Cezar Antonio Dall Piva, esta Colenda Comissão, deve ter um único e mesmo peso para medida, devendo impugnar o Sr. Gilson Vivian, mesmo que este retornou ao seu posto eletivo, antes do prazo de 90 dias, já que a data de seu retorno é muito inferior há 2 anos.”

Plinio David De Nes Filho

“Em que pese ter havido uma reunião (em 03.11.2018) com representantes das duas chapas, para que oportunizassem prazo para a quitação de eventuais inadimplências, o Sr. Plinio David De Nes Filho, estava com seus direitos teoricamente e estatutários cassados, pois não adimplia com suas mensalidades desde janeiro de 2017, totalizando 22 parcelas em atraso.” O documento ainda completa:

“O Sr. Plinio David De Nes Filho, deveria ter sido eliminado dos quadros da ACF, somente podendo ser readmitido em novembro de 2019, ser eleito ao Conselho da ACF, e esperar por 24 meses para concorrer a qualquer cargo.”