Final sem fim: Boca Juniors pede suspensão do jogo contra o River Plate – ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

Final sem fim: Boca Juniors pede suspensão do jogo contra o River Plate

Clube acredita que chega para a partida em desvantagem de condições; documento foi enviado à Conmebol

Boca Juniors River Plate Monumental — Foto: Getty Images

O Boca Juniors emitiu um comunicado formal à Conmebol, na tarde deste domingo, pedindo a suspensão da segunda partida da final da Libertadores, contra o River Plate, no Monumental. O jogo está marcado para as 18h (horário de Brasília). De acordo com o documento, o clube acredita que chega em condições inferiores para a partida.

O pedido tem base no artigo número 8 do regulamento Disciplinar da Conmebol. No parágro segundo, a entidade afirma que “as associações membro e clubes são responsáveis pela segurança e pela ordem tanto no interior como nas imediações do estádio antes, durante e depois da partida da qual são anfitriões ou organizadores”. De acordo com o texto, essa responsabilidade se estende a “todos os incidentes de qualquer natureza que possam acontecer”.

Além disso, o clube pede que o River Plate seja punido pelo incidente, baseado no artigo número 18 do Regulamento Disciplinar da Conmebol, que prevê sanções que vão de advertência e multa de cem dólares até eliminação de competições e fechamento de estádios. De acordo com o texto, órgãos judiciais podem impor várias das sanções pela mesma infração.

A postura do Boca Juniors desde o início do tumulto foi de insistir no discurso de que a partida não poderia acontecer neste fim de semana. Pablo Pérez e Lamardo, jogadores do Boca, se machucaram com estilhaços da janela do ônibus e precisaram ser atendidos no hospital. Ambos voltaram ao estádio com um curativo no olho.

Além disso, de acordo com a imprensa argentina, seis jogadores do time xeneize vomitaram no vestiário em decorrência do gás de pimenta utilizado pela polícia na tentativa de conter a confusão. Carlitos Tevez, momentos antes da notícia do adiamento do jogo, relatou o drama aos jornalistas presentes. Médico do Boca Juniors, Dr. Jorge Pablo Batista compartilhou imagens do atendimento a Pérez e Lamardo. Ficou diagnosticado que o primeiro sofreu uma úlcera no olho esquerdo.

Pablo Pérez, do Boca Juniors, machucou o olho no incidente — Foto: Reprodução

Entenda o caso

No último sábado, torcedores do River apedrejaram o ônibus do Boca momentos antes de chegar ao estádio, e alguns jogadores ficaram feridos – Pablo Pérez e Lamardo precisaram ser encaminhados para o hospital, por exemplo.

O duelo estava inicialmente marcado para 18h (de Brasília) do último sábado. Com a confusão, a Conmebol atrasou o início em uma hora (seria às 19h, portanto); e depois, em mais 1h15 (às 20h15). A confirmação do adiamento foi anunciada somente por volta de 20h30.

Jogadores do Boca Juniors declararam que acreditam que a partida não deveria acontecer. Tévez afirmou a equipe não deveria jogar neste domingo, e Benedetto afirmou que o título deveria ser entregue ao River, “já que eles têm tanto peso na Conmebol”.

Tevez criticou a postura da Conmebol durante entrevista no vestiário do Monumental, no último sábado — Foto: Reprodução

De acordo com o jornal “La Nación”, alguns dos atletas mais afetados pelo gás lacrimogênio foram atendidos por médicos da Conmebol e receberam doses de corticoides, substâncias proibidas pela Agência Mundial Antidoping (Wada). Os jogadores do clube xeneize temem ser pegos em um possível exame antidoping.

A segunda partida final entre River Plate e Boca Juniors. No jogo de ida, na Bombonera, as equipes empataram em 2 a 2.

*Informações GE

 

Comentários do Facebook