Conmebol trata River x Boca como confirmado e cobra punição a autores de atentado a ônibus | ClicRDC | Notícias de Chapecó e do mundo

Conmebol trata River x Boca como confirmado e cobra punição a autores de atentado a ônibus

Já os jogadores do Boca não querem entrar em campo para segunda partida da final: “Que deem a taça ao River”

 

Foto: Reuters/Alberto Raggio

Após um dia conturbado, que culminou no adiamento da decisão entre River e Boca neste sábado (24), a Conmebol se manifestou de forma oficial através de seu presidente. Alejandro Domínguez usou uma rede social para condenar o atentado ao ônibus xeneize, que deixou atletas feridos e levou ao mal-estar de boa parte do elenco. Apesar de o Monumental ter sido interditado, o dirigente tratou a partida como confirmada para a tarde deste domingo (25), às 18h (de Brasília).

O mandatário apontou se tratar de “um dia triste” para o futebol sul-americano, criticando o comportamento dos torcedores que atingiram o ônibus do Boca com pedras e outros objetos. Domínguez cobrou punição aos autores dos atos violentos do lado de fora do Monumental:

– A Conmebol exige às autoridades competentes ação imediata e oferece toda a colaboração para identificar, capturar e levar à Justiça os responsáveis. Estes fatos não podem ficar impunes. Deve cair sobre os responsáveis todo o peso da lei e rejeição da sociedade – escreveu o presidente da Conmebol.

Ônibus do Boca foi atingido por pedras na chegada ao Monumental — Foto: REUTERS/Agustin Marcarian

Clamando que o futebol sul-americano priorize esforços para combater a violência nos estádios do continente, Alejandro Domínguez pediu que as autoridades responsáveis façam um “esforço dobrado” para que a final deste domingo aconteça sem problemas para jogadores e torcedores.

“A Conmebol faz um pedido que neste domingo se viva uma final de paz, com respeito pelo rival e mostrando a melhor cara da América do Sul para o mundo”, disse.

O Monumental foi interditado pela Agência Governamental de Controle do Governo da Cidade de Buenos Aires por conta da superlotação e da obstrução de algumas saídas na confusão ocorrida neste sábado. Mas o River poderia regularizar a situação a tempo pagando uma multa – de valor não divulgado – à prefeitura.

Boca sem Pablo Pérez?

Mais cedo, em entrevista ao canal argentino “Fox Sports”, Domínguez afirmou ter um documento assinado por todas as partes para que River e Boca joguem neste domingo.

Horas depois, no entanto, surgiram rumores sobre as condições do volante Pablo Pérez. O capitão do Boca teve constatada uma úlcera na córnea do olho esquerdo por conta dos estilhaços de vidro do ônibus. Ele não teria como entrar em campo até se recuperar totalmente, e o prazo seria de seis dias.

Resta saber se o Boca concordará em jogar sem Pablo Pérez. Ainda há muito por vir…

Veja o comunicado na íntegra:

“Um dia triste para o futebol sul-americano. A Conmebol se solidariza com os jogadores, suas famílias e todos os afetados. O que devia ser um encontro esportivo para viver, desfrutar e compartilhar o melhor do futebol sul-americano se converteu numa vergonha.

A Conmebol condena os atos violentos e criminais que colocaram vidas em risco, atentaram contra o sustento de esportivas profissionais, afetaram a milhões de torcedores de bem e envergonharam o seu clube, o futebol, seu país e seu continente.

Conmebol exige às autoridades competentes uma ação imediata e oferece toda a sua colaboração para identificar, capturar e processar os responsáveis. Esses fatos não podem ficar impunes. Aos responsáveis devem cair todo o peso da lei e a rejeição da sociedade.

A Conmebol faz um chamado para que neste domingo se viva uma final com paz, com respeito pelo rival e mostrando a melhor cara da América do Sul para o mundo. Convidamos todos os torcedores que compartilhem os valores do jogo limpo para se expressarem com a hashtag #SudamericaQuiereFútbolEnPaz.

Apelo a todos os atores do futebol sul-americano para que estabeleçam como prioridade e unamos esforços para identificar, entender e combater as causas e os atos de violência que a cada ano mancham nosso futebol”.

Benedetto, atacante do Boca afirma que adversário tem “peso na Conmebol” e reclama de falta de punição; Tévez relembra episódio de 2015, quando Xeneizes foram eliminados da competição

A decisão da Conmebol de adiar o segundo jogo entre River Plate e Boca Juniors, pela final da Libertadores, após confusão no último sábado, deixou alguns jogadores da equipe xeneize indignados. Revoltado com a situação, o atacante Benedetto deixou claro que acredita que a partida não deveria acontecer e afirmou, em entrevista à Fox Sports Argentina, que o título deveria ser entregue aos Millonarios, por acreditar que o clube foi protegido pela entidade sul-americana.

“Que deem a taça ao River, já que eles têm tanto peso na Conmebol. Não fazem nada com eles”, disse Benedetto.

No último sábado, torcedores do River apedrejaram o ônibus do Boca momentos antes de chegar ao estádio, e alguns jogadores ficaram feridos – Pablo Pérez e Lamardo precisaram ser encaminhados para o hospital, por exemplo.

Em entrevista coletiva, o atacante Tévez foi além. O experiente jogador de 34 afirmou que o River deveria ser eliminado por conta da confusão do último sábado.

– Para mim, não deveríamos jogar amanhã (neste domingo), é o mesmo que aconteceu com o Boca (em 2015).

Tevez menciona um episódio de 2015, quando torcedores do Boca Juniors jogaram gás de pimenta na direção de jogadores do River no intervalo da partida entre as equipes válida pelas oitavas de final da Libertadores. Na ocasião, o clube acabou eliminado da competição.

“Se fosse com o Boca, já estávamos fora. A taça era do River. Não foi assim na Bombonera? Eliminaram o Boca, agora estamos pensando em quando vamos jogar.”

*Informações GE

Comentários do Facebook